Arquivo da tag: trajetoria profissional

A importância de estar aberta ao novo na vida profissional (*)

Estar aberto ao novo é fundamental para não se tornar obosoleto num futuro próximo.

Dois meses atrás li um post aqui na rede que achei muito criativo! Obrigada @Ana Paula Rodrigues. Peguei carona na sua ideia. Minhas transições de carreira começaram muito antes do que vocês imaginam.

1980, 12 anos, bailarina. Passava tardes e mais tardes dançando e esperando ansiosa pela roupa de apresentação do final de ano.

1985, 17 anos, ainda bailarina. Agora, dançando com sapatilha de pontas e ouvindo as músicas sendo tocadas ao vivo no piano. Até que, um dia, percebi que para continuar na dança deveria treinar mais e mais. Desisti, pois outras atividades me chamavam atenção.

1987, 19 anos, atriz. Me formei em artes cênicas. Contar histórias através de personagens era algo que me encantava. Cheguei a passar madrugadas ensaiando para atuar em festas infantis e no teatro do Barra Shopping. Até que um dia percebi que a carreira de atriz não era para mim. Desisti.

1989, 22 anos, estudante de psicologia. Me surpreendi com as ideias de Freud e o estágio em um hospital psiquiátrico. Passava tardes e mais tardes lendo, conversando sobre os casos atendidos e uma paixão platônica pelo professor de Psicanálise.

1995, 27 anos, psicóloga clínica. Já fazia dois anos que tinha me formado. Decidi fazer uma especialização em Psicanálise. Abri um consultório e por muitos dias ficava sozinha lendo e esperando o telefone tocar. Mas a convicção pela clínica era um fato.

1998, 30 anos. Consultora, após morar dois anos nos Estados Unidos. De volta ao Brasil, me vi trabalhando para empresas, apoiando executivos (as) expatriados chegando no Brasil ou saindo do Brasil. A vida me trouxe para essa experiência e eu abracei.

De lá para cá, continuo como consultora, professora, treinadora, facilitadora e coach. Me tornei uma especialista em Saúde Mental. De tudo que já fui e sou profissionalmente, o ponto em comum é a paixão por pessoas, histórias e arte.

O que será que vem por aí?

De tudo isso, uma grande lição: estar aberta ao novo. O mercado de trabalho está mudando com a pandemia e com a chegada de novas tecnologias. Estar aberto ao novo, se atualizando na sua área ou mesmo se reinventando, é imprescindível para que muitos profissionais não se tornem obsoletos num futuro próximo.

(*) Artigo de Andrea Fuks, sócia diretora da Global Line, cliente da g6. Para ler o artigo completo no perfl do LInkedin de Andrea, acesse:

https://www.linkedin.com/pulse/import%25C3%25A2ncia-de-estar-aberta-ao-novo-na-vida-andr%25C3%25A9a-fuks-1f