Arquivo da tag: monociclo eletrico

Como o monociclo elétrico facilitou o dia a dia de um morador da região metropolitana de Curitiba

Alex Sandro: Embaixador da Eletricz em Curitiba.

Alex Sandro Barreto Sobral, de 34 anos, é nascido em São Vicente (SP), mas logo aos seis anos mudou-se com a família para a região metropolitana de Curitiba. Casado e pai de duas filhas, em novembro de 2015 ele conseguiu um novo emprego na região central de Curitiba, cerca de 23 quilômetros distante de sua casa, num trajeto com muito trânsito. Era hora de repensar sua mobilidade. Alex, que já teve carro e moto, não encontrava a forma ideal de fazer esse percurso. Custos altos com seguro, gasolina e estacionamento, ônibus lotado e demorado. Nada fazia sentido.

No começo, ele pegava carona de carro com sua mulher um trecho do trajeto, depois pegava um ônibus e terminava ainda fazendo uma boa caminhada. Com chuva, então, virava um caos. Alex começou a pesquisar alternativas mais inteligentes para se locomover diariamente. Pensou na bicicleta, mas ele trabalhava com roupa social, ia chegar suado e não havia na empresa local adequado para tomar banho e se trocar.  Um dia encontrou na Internet, no YouTube, o monociclo elétrico e observou que os principais benefícios deste equipamento eram justamente o que ele precisava: baixo custo, era pequeno (cabia debaixo da sua estação de trabalho,) e oferecia autonomia suficiente para a sua necessidade. Uma parte do trajeto até o seu trabalho contava com uma ciclovia, o que era um estímulo a mais.

“Na época, em 2016, ainda não tinha como experimentar. Acabei comprando um monociclo elétrico pequeno, usado, no Mercado Livre. Era um modelo bem simples. Aprendi a andar nele por meio de vídeo aulas. No começo você pensa que não vai conseguir. Mas logo percebe que é só uma questão de treino. Tirei 10 dias de férias na empresa e queria aproveitar o tempo para aprender a pilotar o monociclo. E consegui”, orgulha-se Alex. O primeiro dia de retorno das férias já foi com o monociclo. A curiosidade dos colegas e até do gerente geral da empresa foram muito grandes ao me verem carregando aquela ‘malinha’ no elevador. “O que é isso?”, perguntavam. “É meu novo veículo de transporte, eu respondia feliz”.

“Apesar de alguns problemas, fiquei até março de 2019 com este primeiro monociclo. Era modesto, mas me atendeu bem neste período. Até que ele quebrou e fiquei alguns meses sem um monociclo. No final de 2019 conheci a Eletricz, empresa-referência na distribuição de monociclos elétricos no País, com sede em São Paulo (SP), e recebi o convite para ser Embaixador da Eletricz em Curitiba. O objetivo era contribuir para aumentar a visibilidade deste equipamento na cidade”, afirma ele. “Claro que aceitei e comprei o meu primeiro monociclo da KingSong”. A KingSong é uma das principais fabricantes mundiais desse produto.

Com um monociclo maior e com maior autonomia, Alex começou a se aventurar mais pela cidade. “Uma das coisas que sempre achei mais incrível é a facilidade de percorrer um trecho com o monociclo e complementar a viagem, facilmente, dentro de um ônibus ou de um Uber, com o monociclo do meu lado sem atrapalhar ninguém, pois ele é menor que uma mala de rodinhas pequena de viagem”.

SOBRE OS EMBAIXADORES DA ELETRICZ

A mobilidade elétrica chegou para ficar, mas nem todo mundo conhece ou teve a oportunidade de testar um veículo elétrico como o monociclo. Por isso, foi criado o programa “Embaixador Eletricz”, que, por meio de ações regionais, conecta usuários que são entusiastas com o público que ainda não teve a chance de conhecer os benefícios destas novas formas de mobilidade. Uma mobilidade mais inteligente e eficaz. Para os futuros clientes, a grande vantagem é ter contato com pessoas que já utilizam o monociclo elétrico em sua cidade, antes de tomarem sua decisão final pela compra.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Saxofonista mineiro troca Pajero por monociclo elétrico e muda sua relação com Belo Horizonte

Robert roda até 60 quilômetros por dia a bordo do seu monociclo elétrico pelas ruas de Belo Horizonte.

O saxofonista Robert Clay Pires, de 49 anos, que viveu a vida toda em Belo Horizonte, levava até 2017 uma vida mais tradicional com relação aos seus deslocamentos urbanos pela capital mineira, a bordo do seu imponente Mitsubishi Pajero. Fazia compras, se deslocava para suas apresentações musicais em teatros e outros locais, passeava – sempre com seu confortável SUV. Músico conhecido na cidade, Robert é um especialista em jazz, mas também toca outros estilos, como blues, soul e pop, por exemplo.

“Em 2017 eu percebi que estava muito estressado com tudo o que envolvia aquele carro, como congestionamentos, riscos de ser assaltado, altos custos de combustível, seguro e IPVA. E também o fato que, apesar disso tudo, eu usava pouco o carro. Não valia o investimento. Eu queria mudar completamente meu jeito de me locomover e me relacionar com a cidade”, explica Robert.

Neste momento, sua primeira iniciativa foi ir atrás de uma motocicleta elétrica, para uso no dia a dia e também no lazer. A ideia era ter um veículo mais simples, barato e ecologicamente correto. “Desisti da moto quando descobri que precisaria tirar uma nova CNH para poder pilotá-la. Eu queria simplicidade. Continuei pesquisando na Internet, e foi aí que descobri o monociclo elétrico. Nem sabia que aquilo existia. Achei que a foto era montagem. E, 20 dias depois, comprei pela Internet meu primeiro monociclo elétrico”, conta o saxofonista.

Foi amor à primeira vista. Robert tornou-se não só um usuário, mas principalmente um entusiasta do monociclo elétrico. E, de certa forma, um colecionador. Já teve oito monociclos em perfeito de estado de conservação em casa, mas hoje são “apenas” quatro: o primeiro que comprou, que tem um valor sentimental especial, e mais três modelos da KingSong, comprados na Eletricz.

“Tem dias que rodo até 60 quilômetros com um monociclo. Minha vida se tornou mais saudável e estou muito mais feliz hoje em dia. Uso para passear pelas ruas, ir à padaria, ao shopping. Nunca fui barrado em lugar algum”, afirma. Seu carro já foi vendido há tempos. “Escolher o monociclo elétrico como veículo de mobilidade urbana foi a melhor coisa que fiz na vida. Desde que comecei, já perdi 14 quilos e me sinto muito mais disposto, saudável e criativo para o meu trabalho”, diz.

Sua relação com Belo Horizonte mudou muito. Antes, dentro de um carro, ele tinha um olhar mais distante das belezas da cidade, dos seus pontos turísticos. Hoje, ao contrário, é muito comum encontrá-lo nos finais de semana passeando e interagindo nesses locais com toda a liberdade que apenas um monociclo elétrico é capaz de proporcionar.

A paixão de Robert pelo monociclo e também o seu bom relacionamento com a Eletricz, empresa-referência na distribuição de monociclos elétricos no País, com sede em São Paulo (SP), contribuiu para que ele fosse convidado para ser Embaixador da Eletricz (e dos monociclos) em Belo Horizonte, contribuindo para dar mais visibilidade a esse equipamento que ganha cada vez mais adeptos a cada ano, sobretudo nas grandes capitais como BH.

SOBRE OS EMBAIXADORES DA ELETRICZ

A mobilidade elétrica chegou para ficar, mas nem todo mundo conhece ou teve a oportunidade de testar um veículo elétrico como o monociclo. Por isso, foi criado o programa “Embaixador Eletricz”, que, por meio de ações regionais, conecta usuários que são entusiastas com o público que ainda não teve a chance de conhecer os benefícios destas novas formas de mobilidade. Uma mobilidade mais inteligente e eficaz. Para os futuros clientes, a grande vantagem é ter contato com pessoas que já utilizam o monociclo elétrico em sua cidade, antes de tomarem sua decisão final pela compra.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Cinquentões e sessentões já somam 20% das vendas de monociclos elétricos da Eletricz

Os cinquentões e sessentões não são mais os mesmos. Eles estão cada vez mais dispostos, arrojados, saudáveis, modernos e buscando novas experiências. Os tempos mudaram. Os chamados “ageless” (pessoas cuja idade não se define pela cronologia) misturam-se facilmente a quarentões e trintões em bares, shoppings, restaurantes, shows, festas e, com muita frequência, é difícil até de identificar, entre eles, quem é o mais jovem ou o mais velho. Não se trata apenas de visual, jeito de se vestir ou local que frequentam. É uma questão de mentalidade e vitalidade, que mudou muito nas últimas décadas.

A turma que nasceu nos anos 50 e 60 sempre enxergou, durante sua adolescência, as pessoas dessa faixa etária como alguém “velho”. Pessoas acima de 40 anos já eram reconhecidas como idosas. “Mas o tempo passou e muita coisa mudou e, com isso, vivemos tempos mais modernos, com novas tecnologias chegando a todas as idades, novas formas de se viver e novos procedimentos”, afirma Márcio Canzian, CEO da Eletricz e diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (Abve). É só reparar como os cinquentões e sessentões se vestem hoje, como fazem atividade física regularmente nas academias e parques, estudam, iniciam faculdades e cursos, viajam com frequência, fazem planos para o futuro, mudam de carreira, se reinventam.

“Na mobilidade urbana não é diferente e fica cada vez mais perceptível o crescimento deste perfil de usuário, especialmente no que se refere aos micros modais elétricos”, explica Canzian. Atualmente, basta uma volta pelas ruas e ciclovias de São Paulo para constatar que eles estão lá em seus patinetes, bikes e monociclos elétricos, em números cada vez maiores.

“Para mim, o monociclo elétrico representa liberdade. E liberdade não tem idade. Quem pensa muito em idade, perde a liberdade. Me sinto com 15 anos conduzindo meu monociclo”, afirma Márcia Regina, de São José dos Campos (SP), que já pilota há sete anos. Mas Márcia é apenas um dos muitos exemplos de cinquentões e sessentões que encontraram uma espécie de “fonte da juventude” cima dos seus monos. Ela mesma é chamada de “vovó doidinha” pelos netos quando a vêem pilotando.

A Eletricz comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricos em sua loja localizada no bairro de Vila Nova Conceição, em São Paulo (SP), e para todo o Brasil por meio da sua loja virtual (https://loja.eletricz.com.br). Mas 80% do seu faturamento vêm do monociclo, mercado que ele já virou referência nacional. “Aqui na loja a base principal dos clientes oscila entre 25 e 45 anos. Até um ano atrás, para se ter ideia, o número de clientes acima dos 50 anos era próximo do zero. Hoje, sem dúvida, essa turma que nasceu nos anos 50 e 60 já representa perto de 20% dos nossos negócios”, revela o executivo.

Esse salto aconteceu em apenas um ano, e parece ser uma tendência irreversível. De certa forma, a questão da pandemia acabou por impulsionar a adesão das pessoas mais maduras, especialmente aquelas do grupo de risco da covid-19, já que os micros modais são uma opção mais segura de locomoção. Mas, para muitos deles, modais como o monociclo elétrico também são sinônimo de liberdade, qualidade de vida e diversão pura.

Eles vão ao mercado, à farmácia, visitar netos e filhos, simplesmente passear e até trabalhar. Não são raros os casos de cinquentões e sessentões que trocaram o automóvel pela praticidade de se locomover diariamente em seu pequeno veículo elétrico. Outro exemplo marcante é Paulo Sperandio, de 67 anos, um dentista aposentado de São Paulo (SP), que pilota seu monociclo há cinco anos. “Antes de andar de monociclo eu tinha várias dores pelo corpo. Não tinha vontade de sair de casa. Hoje eu me sinto uma pessoa de 35 a 40 anos. Melhorou muito minha disposição e até as dores que eu tinha pelo corpo. Uso meu mono o dia todo. Não é a idade que faz a gente não querer sair de casa. Nossa cabeça é que nos limita”, acrescenta. O monociclo elétrico mudou sua vida.

Para Luis Roberto Fink, de 62 anos, que mora em Piratininga (SP), andar de monociclo é uma terapia. “Uma monoterapia, como eu chamo. Quando estou estressado, até minha mulher fala: vai andar de mono”, diz ele. “O monociclo elétrico é pura diversão. Me sinto 30 anos  mais jovem quando estou pilotando o meu mono”, conclui. Gilberto Santos, de 63 anos, morador de Taboão da Serra (SP), diz que com ele foi um caso de amor à primeira vista. “Estou realmente encantado com este produto. Antes de ter o meu, quando eu vi um deles passar perto de mim pela primeira vez, eu já pensei: é isso o que eu quero”, explica. Gilberto usa seu mono diariamente, a trabalho, para visitar clientes. “Não me vejo mais tendo carro. Com o mono parece que tenho 18 anos”.

“O fato é que esse público, em especial, vem se livrando das crenças limitantes atribuídas à idade cronológica e percebendo que ao mudar a forma como se locomovem, ganham, entre outras coisas, algo que vai se tornando cada dia mais valioso: o tempo”, avalia Márcio Canzian.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento, que chegou a R$ 3,5 milhões em 2019.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS: