Arquivo da tag: mobilidade urbana

Eletricz lança bicicleta elétrica com design futurístico e portátil

Bicicleta elétrica Ozo-a Hero, da marca israelense Inokim.

A Eletricz oferece para o consumidor brasileiro um modelo de bike elétrica com design ousado e futurístico, premiado internacionalmente. É a Ozo-a Hero, da marca israelense Inokim, que vem se destacando globalmente entre os fabricantes de micros modais elétricos pela qualidade de seus produtos. Ela é bivolt, e equipada com um motor de 240 W, que lhe garante velocidade máxima de 25 km/h. Sua autonomia com uma única carga chega a até 60 quilômetros com o auxílio dos pedais. Se o usuário utilizar a bike sem pedalar, a autonomia passa para até 32 quilômetros. Sua bateria de lítio (36 V/7,8 Ah) é removível (com um sistema de trava antifurto), permitindo que o usuário a retire facilmente e a leve para dentro de casa para ser recarregada na tomada residencial. O tempo de recarga (aproximado) é de quatro horas.

Além de ser bem leve (22 kg), graças às peças e estruturas de alumínio, a Ozo-a Hero tem dimensões compactas.  Aberta, pronta para ser usada, ela mede 137 cm de comprimento, 59 cm de largura e 101,5 de altura. Com o guidão dobrado, sua altura é reduzida para 77 cm (as outras medidas não mudam), para facilitar a colocação num porta-malas ou num cantinho do escritório, por exemplo. A bike tem capacidade para transportar até 100 kg. O modelo é equipado com freios a disco na dianteira e na traseira e seus pneus são aro 16. Ela também conta com sistema de suspensão traseiro.

O design futurístico da bicicleta é inspirado na letra Z. Sua estrutura foi desenvolvida como uma linha contínua principal que liga todos os recursos da bicicleta, como o guidão, roda dianteira, roda traseira motorizada, assento e pedais. O desenho do quadro, juntamente com os pneus, forma a palavra “Ozo”. Mas ela também pode ser parcelada, pelo site da empresa (www.eletricz.com.br) em até 12 prestações fixas de R$ 915,00 – totalizando, a prazo, R$ 10.980,00. Na loja física de São Paulo (SP), ela pode ser adquirida em até 18 prestações fixas de R$ 610,00 ou à vista, por 9.882,00 (já com 10% de desconto).

Para fugir dos grandes congestionamentos, as pessoas estão substituindo o transporte convencional  por meios alternativos de locomoção. A bicicleta elétrica, por exemplo, desponta como uma das propostas de transporte que mais cresce: ao todo já são cerca de 70 milhões de bikes (convencionais e elétricas) rodando pelo país, segundo a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares). A bicicleta elétrica portátil, portanto, têm despontado como uma opção inteligente, sustentável e muito versátil para a mobilidade urbana no dia a dia, pois cabe facilmente em qualquer cantinho.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Como o monociclo elétrico facilitou o dia a dia de um morador da região metropolitana de Curitiba

Alex Sandro: Embaixador da Eletricz em Curitiba.

Alex Sandro Barreto Sobral, de 34 anos, é nascido em São Vicente (SP), mas logo aos seis anos mudou-se com a família para a região metropolitana de Curitiba. Casado e pai de duas filhas, em novembro de 2015 ele conseguiu um novo emprego na região central de Curitiba, cerca de 23 quilômetros distante de sua casa, num trajeto com muito trânsito. Era hora de repensar sua mobilidade. Alex, que já teve carro e moto, não encontrava a forma ideal de fazer esse percurso. Custos altos com seguro, gasolina e estacionamento, ônibus lotado e demorado. Nada fazia sentido.

No começo, ele pegava carona de carro com sua mulher um trecho do trajeto, depois pegava um ônibus e terminava ainda fazendo uma boa caminhada. Com chuva, então, virava um caos. Alex começou a pesquisar alternativas mais inteligentes para se locomover diariamente. Pensou na bicicleta, mas ele trabalhava com roupa social, ia chegar suado e não havia na empresa local adequado para tomar banho e se trocar.  Um dia encontrou na Internet, no YouTube, o monociclo elétrico e observou que os principais benefícios deste equipamento eram justamente o que ele precisava: baixo custo, era pequeno (cabia debaixo da sua estação de trabalho,) e oferecia autonomia suficiente para a sua necessidade. Uma parte do trajeto até o seu trabalho contava com uma ciclovia, o que era um estímulo a mais.

“Na época, em 2016, ainda não tinha como experimentar. Acabei comprando um monociclo elétrico pequeno, usado, no Mercado Livre. Era um modelo bem simples. Aprendi a andar nele por meio de vídeo aulas. No começo você pensa que não vai conseguir. Mas logo percebe que é só uma questão de treino. Tirei 10 dias de férias na empresa e queria aproveitar o tempo para aprender a pilotar o monociclo. E consegui”, orgulha-se Alex. O primeiro dia de retorno das férias já foi com o monociclo. A curiosidade dos colegas e até do gerente geral da empresa foram muito grandes ao me verem carregando aquela ‘malinha’ no elevador. “O que é isso?”, perguntavam. “É meu novo veículo de transporte, eu respondia feliz”.

“Apesar de alguns problemas, fiquei até março de 2019 com este primeiro monociclo. Era modesto, mas me atendeu bem neste período. Até que ele quebrou e fiquei alguns meses sem um monociclo. No final de 2019 conheci a Eletricz, empresa-referência na distribuição de monociclos elétricos no País, com sede em São Paulo (SP), e recebi o convite para ser Embaixador da Eletricz em Curitiba. O objetivo era contribuir para aumentar a visibilidade deste equipamento na cidade”, afirma ele. “Claro que aceitei e comprei o meu primeiro monociclo da KingSong”. A KingSong é uma das principais fabricantes mundiais desse produto.

Com um monociclo maior e com maior autonomia, Alex começou a se aventurar mais pela cidade. “Uma das coisas que sempre achei mais incrível é a facilidade de percorrer um trecho com o monociclo e complementar a viagem, facilmente, dentro de um ônibus ou de um Uber, com o monociclo do meu lado sem atrapalhar ninguém, pois ele é menor que uma mala de rodinhas pequena de viagem”.

SOBRE OS EMBAIXADORES DA ELETRICZ

A mobilidade elétrica chegou para ficar, mas nem todo mundo conhece ou teve a oportunidade de testar um veículo elétrico como o monociclo. Por isso, foi criado o programa “Embaixador Eletricz”, que, por meio de ações regionais, conecta usuários que são entusiastas com o público que ainda não teve a chance de conhecer os benefícios destas novas formas de mobilidade. Uma mobilidade mais inteligente e eficaz. Para os futuros clientes, a grande vantagem é ter contato com pessoas que já utilizam o monociclo elétrico em sua cidade, antes de tomarem sua decisão final pela compra.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Nova entidade brasileira terá como foco o desenvolvimento da mobilidade sustentável

Logo do IBMS

Acaba de ser criado, em São Paulo (SP), o Instituto Brasileiro de Mobilidade Sustentável (IBMS), uma nova entidade que nasce com o foco de se transformar em uma ferramenta para incentivar e viabilizar, em todas as suas vertentes, o mercado brasileiro da eletromobilidade – a mobilidade por diferentes tipos de veículos elétricos. “Queremos contribuir, principalmente, com o desenvolvimento tecnológico deste setor, com a geração de mais conhecimento nesta área e, também, com a busca por investimentos internacionais em fundos criados para apoiar o desenvolvimento sustentável da mobilidade”, explica Ricardo Guggisberg, presidente da IBMS.

Ricardo Guggisberg é um especialista em eletromobilidade, conhecido nacionalmente. Já foi presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) e foi ele quem criou o evento “Salão de Mobilidade Elétrica e Cidades Inteligentes” (“VE Latino Americano”), em 2012, e realizado anualmente desde então. A edição deste ano foi cancelada, devido à pandemia do coronavírus, mas a próxima edição está confirmada para setembro ou outubro de 2021.

De acordo com Guggisberg, existem muitas oportunidades para atuação do IBMS, num espaço ainda não ocupado por outras associações do setor no País. “Queremos promover a inovação da mobilidade no Brasil e, para isso, vamos criar projetos específicos e buscar recursos internacionais para concretizá-los”, explica. Ele cita como exemplos projetos educacionais, gestão de frotas de veículos elétricos, propostas para complementação do transporte público em maior escala (o chamado “first mile/last mile”), apoio a startups brasileiras inovadoras do setor e discussão sobre o reposicionamento dos espaços públicos para permitirem o uso, com segurança, dos micros modais elétricos, como monociclos, bicicletas e patinetes. Uma das ideias em discussão é desenvolver eletropostos para a área rural, uma inovação que ajudaria a ampliar o uso dos veículos elétricos também para fora das cidades.

“É preciso não apenas reestudar esses espaços públicos, para serem readequados, mas também abrir mais áreas voltadas para a micro mobilidade elétrica. Mas, para isso, temos que montar projetos consistentes, tecnicamente ajustados e apresentá-los aos fundos internacionais que oferecem recursos justamente para essas iniciativas”, explica o presidente da IBMS.

O Instituto nasce com uma diretoria composta por 18 representantes de players desse setor e tem como expectativa atrair como associados a maior parte das empresas que desenvolvem projetos ligados na eletromobilidade, incluindo fabricantes, importadores, montadoras de veículos, fornecedores de componentes para o segmento (como fabricantes e importadores de baterias elétricas), entre outros.

Eletricz possui escola exclusiva para formação de novos monociclistas

Escola de Monociclistas
Escola da Eletricz possui pista exclusiva e já formou mais 600 monociclistas desde 2017.

A Eletricz, distribuidora especializada em veículos elétricos portáteis como monociclos, bicicletas e patinetes, mantêm em São Paulo (SP) a única escola do País focada na formação de novos monociclistas. O monociclo elétrico, mais conhecido apenas como mono, cujas vendas no mercado nacional crescem a cada ano, apresenta uma curva de aprendizado diferente da bicicleta ou do patinete e, por isso, os novos usuários precisam passar por um treinamento prático para se tornarem monociclistas.

“Não é possível conduzir um mono sem um treinamento prático específico desse equipamento”, explica Márcio Canzian, CEO da Eletricz e diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (Abve). Na avaliação do executivo, essa necessidade acaba se tornando uma grande vantagem para os monociclistas. “Junto com as aulas mais técnicas sobre como conduzir um monociclo elétrico, os alunos também são orientados com relação à condução segura e recebem dicas e orientações de como se portar nas ruas para evitar acidentes, especialmente em espaços compartilhados, seja em ciclofaixas, ciclovias e até mesmo nas ruas. Oferecemos muito mais do que simplesmente ensinar a pilotar o equipamento”, acrescenta.

Criada em 2017, a escola para formação de novos monociclistas da Eletricz funciona no bairro de Vila Nova Conceição e já formou mais de 600 monociclistas desde então. A escola conta com uma pista exclusiva e segura para os treinamentos e com um uma equipe treinada e dedicada full time, durante horário comercial.

Em geral, os novos usuários de monos precisam passar por um período mínimo entre duas e quatro horas para começarem a se tornar independentes com o equipamento – o tempo varia de pessoa para pessoa. “A partir daí, podem continuar treinando sozinhos até estarem prontos para sair na rua com o veículo. Normalmente, com treinamentos e dedicação diários, isso leva cerca de uma semana”, afirma Márcio. As aulas podem ser agendadas pelo site da empresa (www.eletricz.com.br/training) e custam, por hora, a partir de R$ 80,00. Neste valor já está incluso o empréstimo dos equipamentos individuais obrigatórios de segurança – capacete, munhequeira, cotoveleira, joelheira e caneleira – e do mono.

Um dos desafios dos novos alunos é entender como funciona um monociclo elétrico, um veículo que não possui um botão para acelerar ou frear. Os monociclos são construídos numa estrutura única que possui sensores de estabilização e aceleração. Sua principal característica é funcionar através de um giroscópio. Os giroscópios são usados para controlar rotas de naves espaciais, piloto automático de aviões, mísseis e carros autônomos. É a mesma tecnologia nos monociclos.

Além disso, o monociclo elétrico possui acelerômetros: sensores que medem a aceleração de um corpo em relação à gravidade e sua direção. Sua tecnologia, portanto, traz para o usuário o que existe de mais moderno em mobilidade. Ele funciona com um pêndulo: para acelerar, o condutor deve pender seu corpo ligeiramente para frente, e para reduzir a velocidade deve pender para trás. Monociclos não possuem freios: é esse movimento do corpo para trás que reduz a velocidade até parar ou até ele começar a rodar para trás – o que exige mais experiência do usuário.

A Eletricz comercializa no Brasil mais de 10 modelos de monociclos elétricos das marcas KingSong, Gotway e Veteran com preços a partir de R$ 2.970,00. A empresa possui uma loja física, na capital paulista, onde fica sua escola. Para quem não está em São Paulo, a Eletricz oferece aulas tutoriais no seu canal do YouTube, no endereço www.youtube.com/eletricz, e todos os seus produtos também podem ser adquiridos em sua loja virtual, no endereço www.eletricz.com.br/loja.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento, que chegou a R$ 3 milhões em 2019.

PRESS RELEASE COMPLETO:
Escola de monociclistas – 2020

FOTOS:

Eletricz é pioneira no Brasil no lançamento dos monociclos elétricos da marca Gotway

NIKOLA PNG 1
O novo modelo Nikola Plus, que custa R$ 18.570,00, é o mais acessível da linha Gotway no Brasil.

A Eletricz, distribuidora com sede em São Paulo (SP) especializada na comercialização de monociclos, patinetes e bicicletas elétricos de última geração, foi a primeira empresa no mercado brasileiro a comercializar os monociclos elétricos de altíssimo desempenho da marca Gotway, um dos principais fabricantes mundiais desse equipamento. Agora, a empresa já soma em seu portfólio no Brasil mais de 10 modelos de monociclos elétricos das marcas KingSong e Gotway.

“A Gotway é mundialmente conhecida por produzir monociclos elétricos de altíssima performance. Fundada em 2013, na China, a marca é uma das únicas do mundo a fabricar estes veículos com velocidade superior a 60 km/h.  Seus monociclos são voltados principalmente para usuários bem experientes que exigem mais velocidade, autonomia e potência. Já temos um procura importante por parte desse público”, afirma Márcio Canzian, CEO da Eletricz.

O novo modelo Nikola Plus, que custa R$ 18.570,00, é o mais acessível da linha Gotway no Brasil. Ele vem equipado com um motor com potência de 2.000 W e bateria de íon lítio de 100 V e 1.800 Wh, pesando somente 26 kg. Com isso, o veículo atinge até 64 km/h de velocidade máxima e oferece uma autonomia muito grande, de até 160 quilômetros sem precisar ser recarregado.  O produto também conta com alça retrátil escondida no corpo do equipamento (que permite transportá-lo desligado rodando facilmente, sem erguê-lo do chão, como se fosse uma mala pequena de viagem), dois alto-falantes de 25 W cada (para tocar músicas do telefone celular com ótima qualidade, por meio da tecnologia Bluetooth), pedais maiores, pneu aro 16 com três polegadas de largura (mais conforto e segurança ao ultrapassar imperfeições no solo) e luzes de LED na traseira, na dianteira e nas laterais.

O monociclo elétrico MSuper Pro (MSP), lançado pelo preço de R$ 19.950,00, traz como principal diferencial um motor mais potente, de 2.500 W, e a bateria de íon lítio de 100 V e 1.800 Wh. Ele pesa 25 kg, e oferece a mesma facilidade de ser transportado por meio da sua alça retrátil. O MSuper Pro tem autonomia de até 160 quilômetros com uma carga completa de bateria. Reconhecido mundialmente como um dos monociclos elétricos de melhor desempenho, sua velocidade máxima é de 60 km/h. Seu pneu é aro 18, com três polegadas de largura, o que o torna mais robusto e seguro ao percorrer pisos mais irregulares. Visualmente, seu charme fica por conta do acabamento que imita fibra de carbono. Ele também conta com dois auto-falantes, de 35 W cada. Para a iluminação, o modelo tem dois faróis de 24 V na parte dianteira.

Top de linha da Gotway no Brasil, por enquanto, o monociclo Monster V3 (R$ 24.741,00) é equipado com motor de 2.500 W de potência, que lhe garante uma velocidade máxima de até 70 km/h. Sua bateria de íon lítio tem 100 V e 1.845 Wh, proporcionando uma autonomia de até 160 quilômetros sem precisar de uma nova carga. Com peso de 28,5 kg, ele é o único monociclo vendido no Brasil que utiliza pneus aro 22, oferecendo ao seu condutor uma dose de conforto e segurança inigualáveis no segmento. O Monster V3 ainda conta com botão anti-spinning, dois auto-falantes (35 W cada), logo lateral “Monster” em LED, pedais maiores e entrada USB para, por exemplo, carregar o celular durante a viagem. Externamente, seu acabamento imita fibra de carbono e sua lanterna oferece 1.000 lúmens de luminosidade.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento, que chegou a R$ 3,5 milhões em 2019.

PRESS RELEASE COMPLETO:
Lançamento da Gotway

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Veículos elétricos individuais devem ganhar mais usuários depois da pandemia

Monociclo Parque do povo 2

A pandemia do coronavírus traz à tona muitas reflexões sobre nossos comportamentos em sociedade, hábitos, relacionamentos e estilo de vida. Neste contexto, e nessa nova forma de enxergar como cuidamos do planeta, da nossa qualidade de vida e da nossa segurança, novas tendências para a mobilidade urbana, sobretudo nas grandes cidades, devem ser reavaliadas. E a mobilidade por meio dos veículos elétricos individuais portáteis – monociclos, patinetes ou bicicletas – deve ganhar cada vez mais adeptos em busca de um meio de transporte mais inteligente, divertido, ecologicamente correto e seguro, pois evita aglomerações de pessoas.

Há uma percepção que parece unânime: a pandemia terá efeitos perenes sobre o nosso estilo de vida, a começar pelo uso do transporte coletivo. A quarentena que vivemos tem como principal objetivo evitar aglomerações, pois o vírus é facilmente transmitido nestas situações. O transporte coletivo, especialmente nas grandes cidades brasileiras nos horários de rush, é sinônimo de aglomeração. “É por isso que o transporte individual deve despontar, mesmo depois da crise, como uma nova tendência no mundo todo, e também nas metrópoles brasileiras. Ir para o trabalho conduzindo um veículo elétrico portátil e pessoal é muito mais seguro. O melhor exemplo é o monociclo elétrico, um equipamento de mobilidade individual, rápido e versátil”, afirma Márcio Canzian, CEO da Eletricz, distribuidora que opera no mercado brasileiro desde 2018 e já virou referência no segmento de monociclos elétricos. Ele também é diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE).

“Para que isso aconteça, porém, é urgente que as cidades acelerem seu movimento de mudança. Precisamos criar espaços seguros para que todos circulem em segurança. É um movimento mundial no qual cada ponto do planeta está num degrau de desenvolvimento”, acrescenta. Cidades como Paris e Barcelona, por exemplo, já investem pesado na micromobilidade, criando redes muito mais extensas de ciclovias, ciclofaixas e ciclorotas do que São Paulo e outras cidades brasileiras.

Na avaliação do CEO da Eletricz, outro ponto que ainda requer propostas mais aprimoradas é a criação de linhas de crédito especiais por parte de bancos e financeiras, que tornem a adesão aos modais elétricos portáteis mais acessível para a população que utiliza o transporte coletivo, mas deseja mudar seu estilo de vida. “Isso é fundamental para quebrarmos a dependência deste tipo de locomoção, reduzindo a aglomeração, os congestionamentos, e melhorarmos nossa qualidade de vida”, diz Canzian.

“Andar de monociclo elétrico é, provavelmente, a forma de locomoção mais segura, versátil, ágil e divertida que existe. Esse tipo de veículo, atualmente, está no topo da cadeia da mobilidade urbana individual, oferecendo inúmeras vantagens em relação aos automóveis e também ao transporte coletivo”, explica o executivo. Os monociclos elétricos também são muito eficientes para consumidores que precisam, por exemplo, se locomover até uma estação de metrô ou um ponto de ônibus para uma viagem mais longa. “Eles são perfeitos para resolver o conhecido first mile/last mile, unindo diferentes formas de se locomover pela cidade”.

LINHA DIVERSIFICADA DE MONOCICLOS

 A Eletricz comercializa mais de 10 modelos de monociclos elétricos das marcas KingSong e Gotway, com preços a partir de R$ 2.970,00. A empresa possui uma loja física, no bairro de Vila Nova Conceição, em São Paulo (SP), onde oferece também os treinamentos para os usuários iniciantes numa pista exclusiva. Para quem não está em São Paulo, a Eletricz oferece aulas tutoriais no seu canal do YouTube, no endereço www.youtube.com/eletricz e todos os seus produtos também podem ser adquiridos em sua loja virtual, no endereço www.eletricz.com.br/loja.  A empresa acaba de apresentar ao público brasileiro um monociclo de última geração da marca KingSong, o KS-S18. O modelo promete revolucionar o segmento com um novíssimo sistema de suspensão ajustável a ar, desempenho esportivo e um visual poderoso.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento, que chegou a R$ 3,5 milhões em 2019.

PRESS RELEASE COMPLETO:
Futuro da mobilidade – Press Release

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Como serão os deslocamentos urbanos depois da pandemia?

20190908_200114
Márcio Canzian: CEO da Eletricz, distribuidora de veículos elétricos portáteis, como monociclos, bikes e patinetes.

A pandemia do coronavírus traz à tona muitas reflexões sobre nossos comportamentos em sociedade, hábitos, relacionamentos e estilo de vida. Neste contexto, e nessa nova forma de enxergar como cuidamos do planeta e da nossa qualidade de vida, novas tendências para a mobilidade urbana, sobretudo nas grandes cidades, devem ser reavaliadas. E a mobilidade por meio dos veículos elétricos portáteis – monociclos, patinetes ou bicicletas – deve ganhar cada vez mais adeptos. São os chamados “desertores” do modelo convencional de transporte que estão buscando modelos mais inteligentes, divertidos e ecologicamente corretos de ir e vir.

Há uma percepção que parece unânime: a pandemia terá efeitos perenes sobre o nosso estilo de vida, a começar pelo uso do transporte coletivo. A quarentena que vivemos tem como principal objetivo evitar aglomerações, pois o vírus é facilmente transmitido nestas situações. A disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada: uma pessoa infectada pode contaminar, em média, até cinco outros indivíduos. A transmissão do coronavírus, por exemplo, costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, e contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, o nariz ou os olhos.

O transporte coletivo, especialmente nas grandes cidades brasileiras nos horários de rush, é sinônimo de aglomeração. É um ambiente que favorece a propagação de vários tipos de vírus. Em ônibus, metrô e trens, a falta de espaço dentro do veículo impede ou dificulta que o usuário cumpra orientações fundamentais para reduzir o contágio, como colocar a parte interna do braço (e não a mão) na boca ao tossir ou espirrar. As barras de apoio que as pessoas usam para se segurar favorecem a transmissão do vírus presente nas mãos. É por isso que o transporte individual deve despontar, mesmo depois da crise, como uma nova tendência no mundo todo, e também nas metrópoles brasileiras.  Ir para o trabalho conduzindo um veículo elétrico portátil e pessoal é muito mais seguro – é o caso do monociclo elétrico, um equipamento de mobilidade individual, rápido e versátil.

Este cenário deve favorecer toda a cadeia de produtos ligados à mobilidade individual, criando uma maior demanda por modais que atendam a estes novos hábitos. Outro mercado que também cresce sob esta crise são os serviços de entregas. Plataformas como iFood e Rappi, que se utilizam dos veículos pessoais, elétricos ou não, já impulsionam fortemente esse segmento de entregas.

Para que isso aconteça, é urgente que as cidades acelerem seu movimento de mudança. Precisamos criar espaços seguros para que todos circulem em segurança. É um movimento mundial no qual cada ponto do planeta está num degrau de desenvolvimento. Cidades como Paris e Barcelona, por exemplo, já investem pesado na micromobilidade, criando redes muito mais extensas de ciclovias, ciclofaixas e ciclorotas do que as de São Paulo.

Além disso, outro ponto que ainda requer propostas mais aprimoradas é a criação de linhas de crédito especiais através de bancos e financeiras, que tornem a adesão aos modais elétricos portáteis mais acessível para a camada da população que ainda se vê obrigada a utilizar o nosso precário sistema de transporte coletivo. Isso é fundamental para quebrarmos a dependência deste tipo de locomoção, reduzindo a aglomeração, os congestionamentos, e melhorarmos nossa qualidade de vida, mais ainda no mundo novo que se inicia pós-pandemia.

Future-se.

Márcio Canzian é diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) e CEO da Eletricz, empresa especializada na distribuição de veículos elétricos portáteis.

(Este artigo foi originalmente publicado na editoria “Mobilidade” do Estadão)

Eletricz apresenta novo monociclo elétrico KS-S18 com revolucionário sistema de suspensão ajustável

duas cores
Monociclo KS-S18: uma revolução para o segmento no mundo todo.

O monociclo elétrico ganha, cada vez mais, as ruas das grandes cidades do Brasil e do mundo, se apresentando como uma nova proposta de mobilidade urbana, individual, segura, moderna, ecologicamente correta, econômica e portátil. O crescimento desse mercado vem motivando os principais fabricantes do mundo a investir em tecnologias inovadoras que tornam esses equipamentos ainda mais seguros, confortáveis e confiáveis para o uso no dia a dia.

A Eletricz, distribuidora com sede em São Paulo (SP), que é representante exclusiva no Brasil da marca KingSong, um dos maiores fabricantes de monociclos elétricos do planeta, anuncia o lançamento de um novo modelo que promete revolucionar o segmento: o KS-S18, que traz um novíssimo sistema de suspensão ajustável a ar, desempenho esportivo e um visual poderoso. Para desenvolver esse modelo, a KingSong contou com a colaboração de Kuji Rolls, um piloto de testes, influenciador digital e youtuber de grande prestígio internacional e muito conhecimento nesta área.

O novo monociclo elétrico KS-S18, que estará disponível no Brasil a partir de agosto, é equipado com um inédito projeto de suspensão ajustável a ar de acordo com o peso do condutor. Esse ajuste poderá ser feito por meio de um botão de fácil acesso, que regula a sensibilidade da suspensão. O usuário também terá a opção, em outro botão, de desligar a suspensão, caso prefira a pilotagem tradicional. O quadro é produzido com uma estrutura de alumínio que passa por um processo de anodização dura, que aumenta sua robustez e resistência à corrosão e à abrasão. O conjunto inclui um amortecedor da marca DNM.

“Além de oferecer maior conforto ao rodar por pisos asfaltados ou irregulares, outro ganho importante com essa nova tecnologia é evitar que um condutor distraído que esteja com as pernas estendidas (o que não é recomendável ao conduzir o monociclo), seja ejetado do veículo ao transpor um buraco, por exemplo”, explica Márcio Canzian, CEO da Eletricz. “É uma grande revolução para o crescente mercado mundial de monociclos elétricos”, acrescenta. O mecanismo da suspensão faz com que a distância do pedal ao solo tenha uma variação de 11 a 21 cm, justamente para permitir o movimento do amortecedor.

O novo modelo também apresenta um design esportivo, moderno e robusto nunca antes visto no mundo dos monociclos elétricos, com partes mecânicas expostas. A bateria, o quadro e os pedais são separados da roda, formando um conjunto ousado e que transmite a imagem de valentia, diferente de qualquer outro modelo já produzido.

O novo KS-S18 é um monociclo de alto desempenho, equipado com motor de 2.200 W de potência (com 5.000 W de pico), o que lhe permite atingir até 50 km/h de velocidade máxima e superar subidas com ângulo de até 40 graus – ou seja, ele percorre tranquilamente qualquer ladeira de uma metrópole como São Paulo. O torque do seu motor atinge 140 Nm. Sua autonomia chega a 110 quilômetros graças à sua bateria de 1.100 Wh – seu carregamento total é feito em até 6 horas por meio de um carregador rápido conectado a uma entrada USB em uma tomada elétrica residencial comum. Outro destaque que contribui com o desempenho mais robusto e esportivo é o seu pneu aro 18, com três polegadas de largura.

TECNOLOGIAS DE ÚLTIMA GERAÇÃO

Seus faróis (alto e baixo) oferecem 9.000 lúmens de luminosidade e ainda contam com sensor automático – eles ligam sozinhos quando começa a escurecer. O modelo ainda possui lanterna traseira e luz de freio. O objetivo é que o seu condutor veja melhor e mais longe e também seja visto com mais facilidade. Apesar de todos os recursos e tecnologias incorporados, é um produto leve, com apenas 22 kg, e compacto, com 56 cm de altura, 53 cm de comprimento e 20 cm de largura (com suas pedaleiras abertas).

Como todos os monociclos da KingSong comercializados no mercado brasileiro, o novo KS-S18 é equipado com alça retrátil que permite o seu transporte facilmente, sem precisar levantá-lo, como uma mala de viagem. Ele também possui sensor anti-spinning, que desativa o motor no caso do equipamento ser levantado do solo. Também a exemplo dos demais modelos, conta com recursos como entrada USB (que permite recarregar um gadget como o telefone celular enquanto se locomove) e conexão Bluetooth com o celular. Por meio dessa conexão, o usuário pode entrar no aplicativo do fabricante e acessar, com apenas um clique, informações importantes sobre o seu equipamento, como velocidade e autonomia. Também é possível, neste app, limitar sua velocidade e personalizar o modo da iluminação (estática ou pisca-pisca), entre outras configurações.

Os monociclos são construídos numa estrutura única que possui sensores de estabilização e aceleração. Sua principal característica é funcionar através de um giroscópio eletrônico. Os giroscópios são usados para controlar rotas de naves espaciais, piloto automático de aviões, mísseis e carros autônomos. É a mesma tecnologia que garante o auto-balanceamento nos monociclos elétricos. Além disso, o monociclo elétrico possui acelerômetro: sensor que mede a aceleração de um corpo em relação à gravidade e sua direção. Sua tecnologia, portanto, traz para o usuário o que existe de mais moderno em mobilidade. Ele funciona como um pêndulo: para acelerar, o condutor deve pender seu corpo ligeiramente para frente, e para reduzir a velocidade deve pender para trás. Monociclos não possuem comandos de freios: é esse movimento do corpo para trás que reduz a velocidade até parar ou até ele começar a rodar para trás – o que exige mais experiência do usuário.

O novo KS-S18 já está em pré-venda no mercado brasileiro, com preço de R$ 17.760,00. Referência em veículos elétricos portáteis no País, a Eletricz comercializa mais de 10 modelos de monociclos elétricos das marcas KingSong e Gotway, com preços a partir de R$ 2.970,00. A empresa possui uma loja física, no bairro de Vila Nova Conceição, em São Paulo (SP), onde oferece também os treinamentos para os usuários iniciantes numa pista exclusiva. Para quem não está em São Paulo, a Eletricz oferece aulas tutoriais no seu canal do YouTube, no endereço www.youtube.com/eletricz e todos os seus produtos também podem ser adquiridos em sua loja virtual, no endereço www.eletricz.com.br/loja.

“Andar de monociclo elétrico é, provavelmente, a forma de locomoção mais segura, versátil, ágil e divertida que existe. Esse tipo de veículo, atualmente, está no topo da cadeia da mobilidade urbana individual, oferecendo inúmeras vantagens em relação aos automóveis e também ao transporte coletivo”, explica Márcio Canzian, que também é diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (Abve). Os monociclos elétricos também são muito eficientes para consumidores que precisam, por exemplo, se locomover até uma estação de metrô ou um ponto de ônibus para uma viagem mais longa. “Eles são perfeitos, por exemplo, para resolver o conhecido first mile/last mile, unindo diferentes formas de se locomover pela cidade”, acrescenta Canzian.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento, que chegou a R$ 3,5 milhões em 2019.

PRESS RELEASE COMPLETO:
Lançamento do KS-S18

FOTOS: