Arquivo da tag: gastronomia

Chipa Guany oferece autêntica Chipa Paraguaia em São Paulo

Chipa Paraguaia
Iguaria comum no Mato Grosso do Sul, a Chipa Paraguaia agora também é elaborada e vendida em São Paulo (SP) pela empresa Chipa Guany.

A chipa é uma iguaria tradicional da culinária paraguaia. Ela tem suas origens nos índios guaranis e começou a ser conhecida com as missões jesuítas e franciscanas, conforme registrado em documentos a partir do século 16.

A receita tradicional da chipa inclui polvilhos  doce e azedo, margarina ou manteiga, queijo, ovos, sal e fermento. Depois da massa pronta, as chipas são moldadas em forma de “ferradura” e levadas ao forno para assar.

O pão de queijo brasileiro é uma das variações sul-americanas da chipa paraguaia original, mas com uma consistência e gosto diferentes. A principal diferença entre os dois é que a chipa leva mais queijo que o próprio pão de queijo.

CHIPA PARAGUAIA É TRADICIONAL NA CULINÁRIA DO MATO GROSSO DO SUL

No Brasil, a chipa virou um produto muito popular no Mato Grosso do Sul, cuja cultura e gastronomia são fortemente influenciadas pelo Paraguai, país com o qual compartilha uma grande fronteira.

Na cidade de São Paulo (SP) é possível, pelo Delivery, provar uma autêntica chipa paraguaia, elaborada pela empresa Chipa Guany, que fica no bairro do Campo Belo, na Zona Sul da capital. Sua chipa é produzida, artesanalmente, com os ingredientes tradicionais citados, e sempre com queijo Meia Cura, para lhe garantir um sabor ainda mais marcante.

“Criamos a Chipa Guany para trazer para São Paulo o sabor típico da chipa que eu experimentei em Campo Grande (MS), e que é desconhecido pela maioria dos paulistanos. Usamos a receita original, no formato tradicional da ferradura, que é divertido e único no mercado”, explica Carlos Eduardo Turqueto, um dos sócios do negócio.

As chipas são vendidas congeladas, em embalagens de 400 gramas (cerca de 20 unidades), pelo preço de R$ 28,00. Eles não possuem loja física, mas é possível retirar no local de fabricação ou fazer pedidos pelo telefone.

SERVIÇO
Chipa Guany
Rua Demóstenes, 960
Campo Belo – São Paulo (SP) Fone: (11) 98195-0048

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO

Chef Vanessa Carvalho também é uma especialista nas típicas sobremesas do Mato Grosso do Sul

Sobremesas do Mato Grosso do Sul
Sobremesas do Mato Grosso do Sul, super típicas, e a chef Vanessa Carvalho.

A chef campo-grandense Vanessa Carvalho, apaixonada pela culinária e pela cultura do seu estado, que comanda o restaurante Sim Sobá em São Paulo (SP), também se entusiasma quando fala sobre as sobremesas do Mato Grosso do Sul, tão tradicionais para a população dessa região.

“Sou um ‘formigão’. Desde os meus 8 anos eu já cozinhava pratos salgados e preparava vários tipos de doces que são muito populares no meu estado”, afirma Vanessa.

Entre os doces tradicionais que remetem à sua infância e são feitos até hoje por sua mãe e quatro tias, em Campo Grande, ela destaca delícias como Pudim de Milho, Pudim de Mandioca, Bolo de Mandioca, Doce de Banana com Laranja, Manjar dos Deuses (um bolo feito com banana) e Balas de Melado. Ela mesma sabe preparar todas essas sobremesas do Mato Grosso do Sul.

Para saber mais sobre o trabalho da chef Vanessa Carvalho, clique aqui.

SOBREMESAS DO MATO GROSSO DO SUL EM SÃO PAULO

No Sim Sobá estão disponíveis cinco sobremesas do Mato Grosso do Sul. As barrinhas de Geleia de Mocotó Pantaneira (R$ 4,00 – 60 gramas) e Cocada Pantaneira (R$ 4,00 – 55 gramas), ela “importa” prontas do MS, pois o seu preparo leva muito tempo.

As outras três opções ela mesma prepara, com muito carinho, todas as semanas: Doce de Abóbora com Coco (R$ 8,00 – 100 gramas), Doce de Abóbora em Pedaços (R$ 6,00 – 100 gramas) e a Cachorrada (R$ 8,00 – 100 gramas). Os dois tipos de doces de abóbora são parecidos com os elaborados em outras regiões do Brasil, como Minas Gerais e até em São Paulo, onde costumam ser produzidos de maneira artesanal pelas mães e avós.

“São duas sobremesas mais comuns no interior do Brasil. Com exceção dos restaurantes mineiros, você dificilmente vai encontrar doce de abóbora no cardápio de um restaurante paulistano”, explica a chef.

CACHORRADA: UM DOS FAVORITOS DA CHEF

E, por último, um dos doces favoritos de Vanessa, e também uma das mais populares sobremesas do Mato Grosso do Sul, é a Cachorrada (R$ 8,00 – 100 gramas).

A origem da Cachorrada é cercada de lendas curiosas, como a que conta que o doce começou a ser feito com leite azedo que era destinado para a cachorrada. “Mas, em resumo, é um doce feito com leite coalhado (azedo) e açúcar, que após ser cozido fica com um gosto parecido com o doce de leite com um azedinho”, conta a chef.

Essas cinco sobremesas do Mato Grosso do Sul estão disponíveis de sexta-feira a domingo, das 18h às 22h, pelo Delivery do seu restaurante, na capital paulista.

Vanessa também é uma “boleira” de mão cheia, mas prepara bolos apenas para o seu próprio consumo. Outra especialidade são os seus Brigadeiros, que ela coloca no cardápio do Sim Sobá em momentos especiais ao longo do ano – e são bem elogiados pelo seu público fiel.

BRIGADEIRO DE CAMPIM SANTO: ESPECIALIDADE DA CHEF

No final de semana do Dia dos Pais, por exemplo, ela preparou um lote especial com três sabores: Brigadeiro de Capim Santo, Brigadeiro de Ninho e Brigadeiro Tradicional. Cada brigadeiro tem 50 gramas e custa R$ 5,00.

“Vendemos tudo que foi feito durante este final de semana”, orgulha-se ela. “Tem gente que vem de longe só para buscar meu Brigadeiro de Capim Santo”, acrescenta. O Capim Santo é um ingrediente bastante tradicional na culinária sul-mato-grossense.

A HISTÓRIA DE VANESSA CARVALHO

Nascidaem Campo Grande, Vanessa tem 46 anos. Ela nasceu numa família com cinco mulheres que adoram cozinhar – a mãe e quatro tias. “Em todas as reuniões e festas familiares são elas que preparam tudo”, conta Vanessa.

Ela nasceu nesse ambiente gastronômico cheio de sabores e temperos e combinações intensos, uma marca da comida de Campo Grande. A mãe foi sua grande professora na cozinha. Com 5 anos ganhou de presente um jogo de panelas de verdade, e começou a aprender a cozinhar numa mini cozinha que montou no quintal.

Aos 8 anos já sabia, e bem, fazer o tradicional Arroz de Carreteiro Pantaneiro, típico do Mato Grosso do Sul, e virou a responsável pela sua preparação nos encontros familiares. Mesmo assim, não trabalhou com comida em Campo Grande (embora tenha feito um curso de Gastronomia no Senac) e, em 1996, veio morar em São Paulo.

Na capital paulista, trabalhou como modelo, foi empresária do ramo de iluminação para shows e atuou como corretora de imóveis no Campo Belo durante cerca de 13 anos. Em 2006 morou na Suíça, perto da fronteira com a Itália. Trabalhava numa empresa durante o dia e nos finais de semana fazia bicos num restaurante na cidade italiana de Lugano. Preparava pratos típicos do Brasil.

RESTAURANTE SIM SOBÁ

Em 2016, voltou a Campo Grande e a vontade de trabalhar com gastronomia já era muito forte – sobretudo depois de ver que uma amiga havia aberto um restaurante. Decidiu retornar a São Paulo e abrir um restaurante especializado em Sobá. Seus amigos, surpresos, logo perguntavam: “Sobá? Ninguém sabe o que é Sobá em São Paulo!”. A resposta dela sempre foi rápida: “Sim, Sobá”. Aliás, foi daí que surgiu o nome do restaurante Sim Sobá.

O Sim Sobá é especializado na elaboração do tradicional Sobá à Moda de Campo Grande, feito pela chef Vanessa seguindo a receita tradicional que se tornou muito popular na capital do Mato Grosso do Sul.

A casa serve seis opções de Sobá à Moda de Campo Grande: “Bovino” (R$ 40,00); Suíno (R$ 36,00); Frango (R$ 34,00); Shimeji (R$ 44,00); Vegetariano de Shimeji (R$ 44,00) e Vegano de Shimeji (R$ 46,00). Quase todos os Sobás levam, como tempero, um caldo especial feito com ossobuco e temperos secretos de Campo Grande, que garantem o sabor todo especial do prato.

O Sobá de Shimeji é uma criação de Vanessa que deu certo em São Paulo. Na versão Vegetariana, a diferença é que o caldo de ossobuco é trocado por um caldo de legumes, também criado pela chef. Já na versão Vegana, além desse caldo de legumes, sua massa é elaborada sem ovos e não vai omelete.

SERVIÇO

Restaurante Sim Sobá (só Delivery e Take Away)
Rua Zacarias de Góes, 1770 (Campo Belo)
Funcionamento: sexta-feira a domingo, das 18h às 22h
Fone: 2892-0527
Fone/whatsapp: 98696-5212
www.simsoba.com.br
www.facebook.com/simsoba
Instagram: @simsoba

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Sobá em São Paulo: como é preparado este prato tradicional de Campo Grande?

Sobá em São Paulo
Sobá em São Paulo: restaurante Sim Sobá, da chef Vanessa Carvalho, oferece para os paulistanos o autêntico Sobá que é tão popular em Campo Grande (MS).

Prato tradicional de Campo Grande (MS), o Sobá não é rápido e nem fácil de fazer. “Pelo contrário, é uma iguaria que exige experiência, tempo e habilidade no seu preparo”, explica a chef Vanessa Carvalho, que comanda o restaurante Sim Sobá, que oferece o Sobá em São Paulo

O Sobá é composto por cinco componentes básicos: uma proteína (carne bovina, carne suína, frango ou shimeji), omelete, macarrão, cebolinha e um caldo com temperos. Para os consumidores que desejam provar Sobá em São Paulo, a chef Vanessa conta como cada etapa do prato é preparada.

Você também pode ler diversos outros textos sobre o restaurante Sim Sobá aqui.

QUATRO PROTEÍNAS NO SOBÁ EM SÃO PAULO

Entre as carnes, são utilizadas alcatra (carne bovina), filé mignon suíno e peito de frango. A quarta opção é o shimeji, uma criação da chef Vanessa no seu Sobá em São Paulo.

As carnes são compradas em peças, filetadas pela chef, separadas e porcionadas em 120 gramas (inclusive o shimeji). Tudo é colocado em saquinhos plásticos selados.

Esse trabalho leva pelo menos duas horas para atender em torno de 50 Sobás. As carnes são cozidas na hora, com diversos temperos (secretos!), como o shoyo, levando entre dois e três minutos para ficarem no ponto. Nos sabores de frango ou suíno, a preparação é finalizada com óleo de gergelim.

Enquanto isso, outro funcionário vai montando o prato com os demais ingredientes. A proteína chega por último.

OMELETE FATIADA FININHA

Cada prato de Sobá vem com 40 gramas de omelete, elaborada com cerca de 1,5 ovo, sal e maisena. Aqui, o maior desafio é preparar a omelete no ponto exato: bem fininha e naquele tom amarelo claro tentador. É assim que ela vem no Sobá em São Paulo, como também em Campo Grande.

A omelete sai pronta da frigideira em peças únicas, que são enroladas com cuidado e, a seguir, fatiadas. Esse trabalho leva em torno de uma hora, para 50 pratos, e é realizado na própria sexta-feira, durante o dia, para atender os clientes durante todo o final de semana.

A omelete não pode ser congelada, nem dura até a outra semana em caso de sobras.

CEBOLINHA PICADA

A cebolinha é lavada, cortada nas extremidades e colocada em pé para secar e, também, para escorrer o caule interno. No final, ela fica bem seca, o que garante um sabor mais agradável, mais frescor e durabilidade superior.

Depois de secas, são fatiadas finamente. Esse trabalho leva cerca de uma hora e acontece também na sexta-feira, para atender a demanda de todo o final de semana. Cada prato tem 15 gramas de cebolinha.

MACARRÃO ARTESANAL

É a parte mais complicada, pois o autêntico Sobá à Moda de Campo Grande é feito com uma massa especial, caseira, diferente da que conhecemos na culinária italiana. Normalmente a massa é elaborada entre quarta-feira à noite e quinta-feira de manhã.

A massa feita numa semana não serve para a próxima semana e não pode ser congelada. Para preparar sua massa, a chef Vanessa utiliza farinha, ovo, sal, água e dois segredinhos especiais que ela prefere não revelar.

Quando isso vira uma massa compacta, ela é cortada em fatias grossas que, então, são passadas no cilindro e depois por um cortador manual (que só é vendido em Campo Grande) de onde saem já no formato final, em tirar finas e achatadas.

Esse produto é colocado então em um “varal” culinário, para não estragar o formato grudando uma na outra, e logo é cozido numa panela com água e sal durante 5 a 7 minutos. Depois de escorrido, vai para o resfriamento imediatamente para que a massa não continue cozinhando com seu próprio calor e, em seguida, como as proteínas, é porcionada e embalada.

Cada Sobá vem com 200 gramas de massa. Para se planejar para servir 50 Sobás, Vanessa precisa produzir 10 kg de macarrão, portanto – o que significa cerca de 5 horas de trabalho, no mínimo.

CALDO DE OSSOBUCO TEM TEMPEROS SECRETOS

Boa parte do sabor maravilhoso do Sobá vem do caldo de ossobuco preparado pela chef. Cada Sobá leva 350 ml deste caldo, que é entregue separado para o cliente colocar dentro do prato somente na hora de consumir.

O caldo dá sabor e também aquece o prato (se o caldo estiver frio, pode ser aquecido no forno de microondas antes). O caldo é preparado com ossobuco e aparas das carnes bovinas e suínas e do frango.

Essas carnes são cozidas por horas, para perderem toda a sua gordura, depois são acrescidos itens como caldo de Mocotó, temperos especiais de Mato Grosso do Sul (secretos), shoyu e hondashi (tempero japonês tradicional).

A carne derrete e vira um caldo maravilhoso, mas leva tempo. São dois dias, ou cerca e 16 horas no total, para preparar o caldo de ossobuco.

FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE

O restaurante funciona de sexta-feira a domingo, todas as semanas, das 18h às 22h, pelos serviços Delivery e Take Away. A casa conta com serviço próprio de entregas. Os pedidos podem ser feitos nos telefones abaixo.

SOBÁ EM SÃO PAULO
Sobá Bovino – R$ 40,00
Sobá Suíno – R$ 36,00
Sobá de Frango – R$ 34,00
Sobá de Shimeji – R$ 44,00
Sobá Vegetariano (Shimeji) – R$ 44,00 (caldo de legumes)
Sobá Vegano (Shimeji) – R$ 46,00 (caldo de legumes, massa sem ovos e sem omelete)

SERVIÇO
Restaurante Sim Sobá
Rua Zacarias de Góes, 1770
Fone: 2892-0527
Fone/whatsapp: 98696-5212
Funcionamento: todas as sextas, sábados e domingos
Horário: das 18h às 22h
Delivery e Take Away

Para saber mais, acesse o site do Sim Sobá aqui.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Um especialista em petróleo que aprendeu a fazer um hambúrguer incrível

Hambúrguer Brazuca do La Parada
Hambúrguer “Brazuca”, do La Parada Steak & Burger: preparado com pão preto e carne Angus de 200 gramas. É assado na parrila!

Você gosta de hambúrguer artesanal? Se gosta, olha que história bacana!

Fabiana Villamarin é psicóloga e atua como gerente de RH na área da Saúde. Seu marido, o Felipe Mota, especialista em petróleo, é ex-funcionário da Petrobrás. Ela, viajada, morou fora alguns anos e é apaixonada por gastronomia.

Ele, louco por churrasco, fez cursos no setor. E, aos poucos, aprendeu a preparar um hambúrguer muito especial!

Para ambos , cozinhar sempre foi um hobby prazeroso.

Enfim, decidiram transformar o prazer em trabalho, criando o La Parada Steak & Burger, que se define como “culinária criativa na brasa”.

São cinco opções de hambúrgueres e mais três tipos de sanduíches feitos artesanalmente na parrilla, com ingredientes premium, como hambúrguer Angus de 200 gramas, pães da Bread Maker e queijo cheddar inglês.

HAMBÚRGUER NA PARRILLA

Sabe o que é Parrilla? É preparar a carne na brasa, sem fogo, sem fumaça (que afeta o gosto da carne) e preservando o seu suco interno, o que garante mais sabor. Poucas hamburguerias trabalham deste jeito artesanal.

Provamos o hambúrguer “Brazuca” (R$ 33,00), criado pelo Felipe. Maravilhoso. Pensa nos melhores hambúrgueres que você já provou em restaurantes famosos. O La Parada não perde para eles!

Começa pelo capricho na entrega. O sanduíche vem embalado por um papel térmico prateado bonito que o mantem aquecido mais tempo. E vem numa caixa charmosa com a marca La Parada. Tudo lacrado, numa sacola de papel, com uma mensagem simpática escrita pela Fabiana.

BATATAS FRITAS CHIPS

Os lanches acompanham uma caixa de batatas fritas chips artesanais. Crocantes e gostosas.

No “Brazuca” vem hambúrguer, pão preto, queijo coalho, tomates assados na lenha e temperados com chimy chury, sal de parrilla e pimenta do reino, rúcula e maionese chipotle. Tudo perfeito!

Quer saber um pouco mais sobre a história do hambúrguer? Confira este artigo.

SOBRE O CAMPO BELO

Cercado por outras regiões nobres, como Brooklin, Moema e Vila Mascote, o Campo Belo é um bairro tranquilo, predominantemente residencial, com a maioria das suas ruas calmas e arborizadas e, ao mesmo tempo, é um forte polo gastronômico da cidade.

O Campo Belo reúne hoje, num espaço relativamente pequeno, separado por poucas quadras, mais de 120 estabelecimentos gastronômicos agradáveis, divertidos, originais, intimistas, badalados, surpreendentes, curiosos, musicais, românticos, agitados, descolados e charmosos.

São mais de 20 bares (vários com música ao vivo), mais de 30 restaurantes de diversas nacionalidades e especialidades (de churrascarias a vegetarianos, de peruano a mexicano), pelo menos sete pizzarias e cinco casas especializadas em hambúrguer, seis padarias sofisticadas, cafés, docerias e sorveterias.

O Campo Belo tem acesso muito fácil pelas avenidas Santo Amaro, Vereador José Diniz, Jornalista Roberto Marinho e Washington Luís e ainda fica muito próximo de duas estações do metrô (Eucaliptos e Campo Belo, ambas da Linha 5 – Lilás).

Para mais informações sobre a gastronomia da região, acesse nosso blog.

SERVIÇO
La Parada Steak & Burger
Fone: 91048-9712

Sobá: uma iguaria de Campo Grande (MS) que exige muita experiência e tempo para o seu preparo

Chef Vanessa Carvalho preparando seu Sobá à Moda de Campo Grande

Prato tradicional de Campo Grande (MS), o Sobá não é rápido e nem fácil de fazer. “Pelo contrário, é uma iguaria que exige experiência, tempo e habilidade no seu preparo”, explica a chef Vanessa Carvalho, que comanda o restaurante especializado nessa culinária, o Sim Sobá, instalado na capital paulista. O Sobá é composto por cinco componentes básicos: uma proteína (carne bovina, carne suína, frango ou shimeji), omelete, macarrão, cebolinha e um caldo com temperos. Confira, basicamente, como cada um deles é elaborado:

Proteínas. Entre as carnes, são utilizadas alcatra (carne bovina), filé mignon suíno e peito de frango. Tudo é comprado em peças, filetado pela chef, separado e porcionado em 120 gramas, que são colocadas em saquinhos plásticos selados. Tudo isso leva pelo menos duas horas de trabalho para atender em torno de 50 Sobás . Elas são cozidas na hora, com diversos temperos (secretos!), como o shoyo, levando entre dois e três minutos para ficarem no ponto. Nos sabores de frango ou suíno, a preparação é finalizada com óleo de gergelim. Enquanto isso, outro funcionário vai montando o prato do Sobá com os demais ingredientes. A proteína chega por último.

Omelete. Cada prato de Sobá vem com 40 gramas de omelete, elaborada com cerca de 1,5 ovo, sal e maisena. Aqui, o maior desafio é preparar a omelete no ponto exato: bem fininha e naquele tom amarelo claro tentador. A omelete sai pronta da frigideira em peças únicas, que são enroladas com cuidado e, a seguir, fatiadas. Esse trabalho leva em torno de uma hora, para 50 pratos, e é realizado na própria sexta-feira, durante o dia, para atender os clientes durante todo o final de semana. A omelete não pode ser congelada, nem dura até a outra semana em caso de sobras.

Cebolinha. A cebolinha é lavada, cortada nas extremidades e colocada em pé para secar e, também, para escorrer o caule interno. No final, ela fica bem seca, o que garante um sabor mais agradável, mais frescor e durabilidade superior. Depois de secas, são fatiadas finamente. Esse trabalho, que leva cerca de uma hora e acontece também na sexta-feira, para atender a demanda de todo o final de semana. Cada prato tem 15 gramas de cebolinha.

Macarrão. É a parte mais complicada, pois o autêntico Sobá à Moda de Campo Grande é feito com uma massa especial, caseira, diferente da que conhecemos na culinária italiana. Normalmente a massa é elaborada entre quarta-feira à noite e quinta-feira de manhã. A massa feita numa semana não serve para a próxima semana e não pode ser congelada. Para preparar sua massa, a chef Vanessa utiliza farinha, ovo, sal, água e dois segredinhos especiais que ela prefere não revelar. Quando isso vira uma massa compacta, ela é cortada em fatias grossas que, então, são passadas no cilindro e depois por um cortador manual (que só é vendido em Campo Grande) de onde saem já no formato final, em tirar finas e achatadas. Esse produto é colocado então em um “varal” culinário, para não estragar o formato grudando uma na outra, e logo é cozido numa panela com água e sal durante 5 a 7 minutos. Depois de escorrido, vai para o resfriamento imediatamente para que a massa não continue cozinhando com seu próprio calor e, em seguida, como as proteínas, é porcionada e embalada. Cada Sobá vem com 200 gramas de massa. Para se planejar para servir 50 Sobás, Vanessa precisa produzir 10 kg de macarrão, portanto – o que significa cerca de 5 horas de trabalho, no mínimo.

Caldo de ossobuco. Boa parte do sabor maravilhoso do Sobá vem do caldo de ossobuco preparado pela chef. Cada Sobá leva 350 ml deste caldo, que é entregue separado para o cliente colocar dentro do prato somente na hora de consumir. O caldo dá sabor e também aquece o prato (se o caldo estiver frio, pode ser aquecido no forno de microondas antes). O caldo é preparado com ossobuco e aparas das carnes bovinas e suínas e do frango. Essas carnes são cozidas por horas, para perderem toda a sua gordura, depois são acrescidos itens como caldo de Mocotó, temperos especiais de Mato Grosso do Sul (secretos), shoyu e hondashi (tempero japonês tradicional). A carne derrete e vira um caldo maravilhoso, mas leva tempo. São dois dias, ou cerca e 16 horas no total, para preparar o caldo de ossobuco.

RESTAURANTE FUNCIONA TODOS OS FINAIS DE SEMANA PELO DELIVERY

O restaurante funciona de sexta-feira a domingo, todas as semanas, das 18h às 22h, pelos serviços Delivery e Take Away. A casa conta com serviço próprio de entregas. Os pedidos podem ser feitos nos telefones abaixo. Se o cliente preferir, ele pode fazer seu pedido pelas plataformas iFood e Rappi, mas os preços serão um pouco superiores nestes aplicativos.

CARDÁPIO

Sobá Bovino – R$ 40,00
Sobá Suíno – R$ 36,00
Sobá de Frango – R$ 34,00
Sobá de Shimeji – R$ 44,00
Sobá Vegetariano (Shimeji) – R$ 44,00 (caldo de legumes)
Sobá Vegano (Shimeji) – R$ 46,00 (caldo de legumes, massa sem ovos e sem omelete)

SERVIÇO

Restaurante Sim Sobá
Rua Zacarias de Góes, 1770
Fone: 2892-0527
Fone/whatsapp: 98696-5212
Funcionamento: todas as sextas, sábados e domingos
Horário: das 18h às 22h
Pedidos pelos telefones ou pelas plataformas iFood e Rappi

SOBRE A CHEF VANESSA CARVALHO

Nascidaem Campo Grande (MS), Vanessa tem 45 anos. Ela nasceu numa família com cinco mulheres que adoram cozinhar – a mãe e quatro tias. “Em todas as reuniões e festas familiares são elas que preparam tudo”, conta Vanessa. Ela nasceu nesse ambiente gastronômico cheio de sabores e temperos e combinações intensos, uma marca da comida de Campo Grande. A mãe foi sua grande professora na cozinha. Com 5 anos ganhou de presente um jogo de panelas de verdade, e começou a aprender a cozinhar numa mini cozinha que montou no quintal.

Aos 8 anos já sabia, e bem, fazer o tradicional Arroz de Carreteiro Pantaneiro, típico do Mato Grosso do Sul, e virou a responsável pela sua preparação nos encontros familiares. Mesmo assim, não trabalhou com comida em Campo Grande (embora tenha feito um curso de Gastronomia no Senac) e, em 1996, veio morar em São Paulo. Aqui, trabalhou como modelo, foi empresária do ramo de iluminação para shows e atuou como corretora de imóveis no Campo Belo durante cerca de 13 anos. Em 2006 morou na Suíça, perto da fronteira com a Itália. Trabalhava numa empresa durante o dia e nos finais de semana fazia bicos num restaurante na cidade italiana de Lugano. Preparava pratos típicos do Brasil.

Em 2018, voltou a Campo Grande e a vontade de trabalhar com gastronomia já era forte – sobretudo depois de ver que uma amiga havia aberto um restaurante. Decidiu voltar a São Paulo e abrir um restaurante especializado em Sobá. Seus amigos, surpresos, logo perguntavam: “Sobá? Ninguém sabe o que é Sobá em São Paulo!”. A resposta dela sempre foi rápida: “Sim, Sobá”. Aliás, foi daí que surgiu o nome do restaurante Sim Sobá.

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Restaurante Sim Sobá oferece sucos exclusivos criados com ingredientes tradicionais na culinária de Mato Grosso do Sul

Varanda’s: um mix de capim-santo (também conhecido como capim-cidreira) e xaropes artesanais de gengibre e limão feitos pela própria chef Vanessa Carvalho. São bebidas que combinam muito bem com o Sobá, especialidade da casa.

A chef Vanessa Carvalho, que comanda o restaurante Sim Sobá, desenvolveu uma linha exclusiva de sucos elaborados com produtos tradicionais na cozinha de Mato Grosso do Sul. São ingredientes como capim-santo, gengibre e a erva natural utilizada numa bebida muito comum no estado, o Tereré. O resultado são combinações incríveis no sabor e muito refrescantes que remetem à rica gastronomia e cultura sul-mato-grossense.

“Minha intenção era criar uma linha de bebidas inédita, que remetesse à culinária de Campo Grande, cidade onde nasci e vivi muitos anos, para acompanhar justamente um dos pratos mais tradicionais de lá, que é o Sobá”, explica Vanessa Carvalho. Para chegar aos três sucos que compõem a linha hoje, chamada de Varanda’s Drinks, a chef precisou fazer muitos testes, experimentando a combinação de diferentes ingredientes. Como resultado, foram desenvolvidos três sucos naturais que integram o cardápio da casa:

Varanda’s. É um mix de capim-santo (também conhecido como capim-cidreira) e xaropes artesanais de gengibre e limão feitos pela própria Vanessa. Custa R$ 13,00 (300 ml).

Varanda’s Tereré. Uma combinação de chá da erva utilizada na elaboração do famoso Tereré (bebida muito tradicional do Mato Grosso do Sul) e xaropes artesanais de gengibre e limão. Custa R$ 14,00 (300 ml).

Flor de Varanda’s. É elaborada com chá de canela, xarope artesanal de hibisco (também produzido pela chef Vanessa) e um toque de limão. Custa R$ 14,00 (300 ml).

Os três drinks harmonizam muito bem com o Sobá à Moda de Campo Grande, elaborado com capricho pela chef. O Sobá é um dos pratos mais populares de Campo Grande, com centenas de restaurantes atendendo ao público da cidade.

SOBÁ À MODA DE CAMPO GRANDE

De origem japonesa, o Sobá ganhou fama e virou tradição no Campo Grande. O prato é uma combinação de macarrão (artesanal e diferente do que conhecemos na culinária italiana), omelete fatiada, cebolinha e uma proteína, que pode ser carne bovina, carne suína, frango ou shimeji. Além disso, o toque especial que dá um sabor muito especial ao prato no Sim Sobá é um caldo feito com ossobuco e temperos típicos de MS (há alguns segredos nesta receita da chef).

No Sobá de Shimeji, além da versão “normal”, com caldo de ossobuco, há mais duas opções: o “Vegetariano”, com um caldo à base de legumes, e o “Vegano”, também com o caldo de legumes e ainda não conta com omelete e sua massa é elaborada sem ovos.

CARDÁPIO DO SIM SOBÁ

Sobá Bovino – R$ 40,00
Sobá Suíno – R$ 36,00
Sobá de Frango – R$ 34,00
Sobá de Shimeji – R$ 44,00
Sobá Vegetariano (Shimeji) – R$ 44,00
Sobá Vegano (Shimeji) – R$ 46,00
Suco Varanda’s – R$ 13,00 (300 ml)
Suco Varanda’s Tereré – R$ 14,00 (300 ml)
Suco Flor de Varanda’s – R$ 14,00 (300 ml)

SERVIÇO

Restaurante Sim Sobá
Rua Zacarias de Góis, 1770
Fone: 2892-0527
Fone/whatsapp: 98696-5212
Bairro do Campo Belo – São Paulo (SP)
Funciona de sexta a domingo, apenas pelo Delivery.
Horário: 18h às 22h

SOBRE A CHEF VANESSA CARVALHO

Nascida em Campo Grande (MS), Vanessa tem 45 anos. Ela nasceu numa família com cinco mulheres que adoram cozinhar – a mãe e quatro tias. “Em todas as reuniões e festas familiares são elas que preparam tudo”, conta Vanessa. Ela nasceu nesse ambiente gastronômico cheio de sabores e temperos e combinações intensos, uma marca da comida de Campo Grande. A mãe foi sua grande professora na cozinha. Com 5 anos ganhou de presente um jogo de panelas de verdade, e começou a aprender a cozinhar numa mini cozinha que montou no quintal.

Aos 8 anos já sabia, e bem, fazer o tradicional Arroz de Carreteiro Pantaneiro, típico do Mato Grosso do Sul, e virou a responsável pela sua preparação nos encontros familiares. Mesmo assim, não trabalhou com comida em Campo Grande (embora tenha feito um curso de Gastronomia no Senac) e, em 1996, veio morar em São Paulo. Aqui, trabalhou como modelo, foi empresária do ramo de iluminação para shows e atuou como corretora de imóveis no Campo Belo durante cerca de 13 anos. Em 2006 morou na Suíça, perto da fronteira com a Itália. Trabalhava numa empresa durante o dia e nos finais de semana fazia bicos num restaurante na cidade italiana de Lugano. Preparava pratos típicos do Brasil.

Em 2016, voltou a Campo Grande e a vontade de trabalhar com gastronomia já era forte – sobretudo depois de ver que uma amiga havia aberto um restaurante. Decidiu voltar a São Paulo e abrir um restaurante especializado em Sobá. Seus amigos, surpresos, logo perguntavam: “Sobá? Ninguém sabe o que é Sobá em São Paulo!”. A resposta dela sempre foi rápida: “Sim, Sobá”. Aliás, foi daí que surgiu o nome do restaurante Sim Sobá.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Nesta sexta-feira, dia 19, restaurante Sim Sobá promove o “Dia do Sobá” pelo Delivery

A chef Vanessa Carvalho, que nasceu em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

O restaurante Sim Sobá, especializado na culinária de Mato Grosso do Sul, vai atender os seus clientes, pelo Delivery, nesta sexta-feira, dia 19. O restaurante foi inaugurado em 2018 e até o final do ano passado funcionava diariamente, apenas pelo Delivery. Para 2020, a chef Vanessa Carvalho, proprietária da casa, decidiu mudar sua estratégia e passou a oferecer o serviço Delivery apenas dois dias por mês, previamente anunciados. No restante do mês, a ideia é atender pequenos grupos em seu próprio espaço, no Campo Belo, em São Paulo (SP), um local todo decorado com a rica cultura de Mato Grosso do Sul. O atendimento presencial, porém, foi suspenso por conta da pandemia.

“Nosso primeiro ‘Dia do Sobá’ em 2021 aconteceu no último dia 5 de março, e foi um sucesso no almoço e no jantar. Vamos avaliar o movimento desta próxima sexta-feira para decidir se ampliamos novamente esse atendimento para mais dias”, explica Vanessa.

De origem japonesa, o Sobá ganhou fama no Brasil no MS. A combinação de macarrão, omelete, carne de porco (na versão mais tradicional), cebolinha e um caldo e carne com temperos típicos foi trazida para o Mato Grosso do Sul na década de 50, por Eiho Tomoyohe e, já em 2006, virou patrimônio histórico e cultural de Campo Grande. A história do Sobá caminhou com a “Feirona” de Campo Grande, fundada em 1925. No começo, eram barracas, montadas na calçada. Hoje, a Feira Central, denominada oficialmente Feira Central e Turística, ocupa a Esplanada Ferroviária, um amplo espaço coberto que reúne 200 lojas de artesanato regional e produtos hortifrutigranjeiros, onde o carro-chefe são as dezenas de restaurantes de Sobá.

No restaurante Sim Sobá estão disponíveis para entrega seis opções de Sobá: Carne Suína, Carne Bovina, Frango, Shimeji, Vegano e Vegetariano, com preços a partir de R$ 34,00. Há também várias opções em sobremesas típicas de Mato Grosso do Sul, como a “Cachorrada Pantaneira”.

SOBRE A CHEF VANESSA CARVALHO

Nascidaem Campo Grande (MS), Vanessa tem 46 anos. Ela nasceu numa família com cinco mulheres que adoram cozinhar – a mãe e quatro tias. “Em todas as reuniões e festas familiares são elas que preparam tudo”, conta Vanessa. Ela nasceu nesse ambiente gastronômico cheio de sabores e temperos e combinações intensos, uma marca da comida de Campo Grande. A mãe foi sua grande professora na cozinha. Com 5 anos ganhou de presente um jogo de panelas de verdade, e começou a aprender a cozinhar numa mini cozinha que montou no quintal.

Aos 8 anos já sabia, e bem, fazer o tradicional Arroz de Carreteiro Pantaneiro, típico do Mato Grosso do Sul, e virou a responsável pela sua preparação nos encontros familiares. Mesmo assim, não trabalhou com comida em Campo Grande (embora tenha feito um curso de Gastronomia no Senac) e, em 1996, veio morar em São Paulo. Aqui, trabalhou como modelo, foi empresária do ramo de iluminação para shows e atuou como corretora de imóveis no Campo Belo durante cerca de 13 anos. Em 2006 morou na Suíça, perto da fronteira com a Itália. Trabalhava numa empresa durante o dia e nos finais de semana fazia bicos num restaurante na cidade italiana de Lugano. Preparava pratos típicos do Brasil.

Em 2018, voltou a Campo Grande e a vontade de trabalhar com gastronomia já era forte – sobretudo depois de ver que uma amiga havia aberto um restaurante. Decidiu voltar a São Paulo e abrir um restaurante especializado em Sobá. Seus amigos, surpresos, logo perguntavam: “Sobá? Ninguém sabe o que é Sobá em São Paulo!”. A resposta dela sempre foi rápida: “Sim, Sobá”. Aliás, foi daí que surgiu o nome do restaurante Sim Sobá.

CARDÁPIO

Sobá Bovino – R$ 40,00
Sobá Suíno – R$ 36,00
Sobá de Frango – R$ 34,00
Sobá de Shimeji – R$ 44,00
Sobá Vegetariano (Shimeji) – R$ 44,00 (caldo de legumes)
Sobá Vegano (Shimeji) – R$ 46,00 (caldo de legumes, massa sem ovos e sem omelete)
Doce de abóbora com coco – R$ 8,00 (100 gramas)
Doce de abóbora em pedaços – R$ 6,00 (100 gramas)
Cachorrada Pantaneira – R$ 8,00 (100 gramas)
Geleia de Mocotó Pantaneira – R$ 4,00 (barra de 60 gramas)
Cocada Pantaneira – R$ 4,00 (barra de 55 gramas)

SERVIÇO
Restaurante Sim Sobá
Rua Zacarias de Góes, 1770
Fone: 2892-0527
Fone/whatsapp: 98696-5212
Data: 19 de março
Horário: das 11h às 15h e das 18h às 22h
Pedidos pelos telefones ou pelas plataformas iFood e Rappi

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO: