Todos os posts de edusanches

Triumph oferece condições especiais para quatro modelos de motocicletas em janeiro

Big Trail Tiger 1200 Desert Edition: um dos modelos que fazem parte das promoções Triumph de Janeiro.

Que tal iniciar 2021 pilotando uma motocicleta Triumph? A marca está oferecendo condições promocionais para quatro modelos neste mês em suas 18 Concessionárias.  Desta vez, dois modelos clássicos e duas big trails foram incluídas na promoção especialmente criada pelo Triumph Smart, o plano de financiamento exclusivo da marca. São elas: Street Twin, Speed Twin, Tiger 1200 Alpine Edition e Tiger 1200 Desert Edition.

A Speed Twin, eleita a “Moto do Ano” na categoria “Classic” em 2020, está sendo vendida por R$ 56.990, com entrada de R$ 19.947 (35%), 23 parcelas fixas de 999,70 e uma parcela residual no final do contrato no valor de R$ 23.943.  Outra clássica, a Street Twin, o modelo da Triumph mais vendido neste segmento no mundo todo, custa R$ 48.990 e está disponível com entrada de R$ 17.147 (35%), 23 parcelas fixas de R$ 899,30 e uma parcela residual final de R$ 19.884.

O mesmo formato de financiamento está disponível para as big trails que chegaram ao mercado brasileiro no ano passado. A Tiger 1200 Alpine Edition custa R$ 83.590, mas pode ser adquirida com entrada de R$ 30.510 (37%), 23 prestações fixas mensais de R$ 1.199 e ainda uma parcela residual final no valor de R$ 39.940. Já a Tiger 1200 Desert Edition, com preço de R$ 88.590, está à venda com entrada R$ 32.335 (37%), 23 parcelas de R$ 1.299 e uma prestação residual no fim do contrato de R$ 41.497.

SIMULADOR TRIUMPH

Se você preferir, utilize o simulador do Triumph Smart (disponível em www.triumphsmart.com.br) e monte você mesmo o plano mais adequado que cabe no seu bolso, aumentando ou reduzindo a entrada, as prestações e parcela residual final. Esse simulador nada mais é do que uma complexa calculadora financeira, bem completa, na qual qualquer consumidor poderá efetuar uma consulta em poucos minutos com muita facilidade. O sistema também permite incluir nos cálculos, se o consumidor desejar, acessórios, Garantia Estendida e uma ou duas revisões (como preferir). Ao término da consulta, o possível cliente terá uma proposta completa de quanto custará exatamente a sua moto, qual será o valor da entrada, das prestações mensais e da residual final – além dos complementos que escolher e de quanto eles representam no custo final da moto.

SOBRE A TRIUMPH

A Triumph Motorcycles Brazil é uma das 12 subsidiárias da empresa pelo mundo e conta com sede em São Paulo (SP) e fábrica em Manaus. A marca conta com 18 Concessionárias no Brasil nas cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São José dos Campos (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Londrina (PR), Vitória (ES), Várzea Grande (MT), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). A Triumph possui o portfólio mais completo do mercado entre as marcas premium, oferecendo três pilares principais de produtos: Clássica, Adventure e Roadster. Fundada em 1902, a Triumph Motorcycles é uma empresa global, atuando diretamente em 13 países, por meio de suas filiais, e indiretamente em mais 57 mercados, através de distribuidores independentes. A Triumph é a maior fabricante britânica de motos e a marca que mais cresce no segmento acima de 500 cc nos países nos quais está presente. O faturamento mundial da empresa gira em torno de R$ 2,1 bilhões e suas vendas no varejo superam as 63.400 unidades anuais, com produção acima de 67.000 motos por ano. No mundo todo, a Triumph possui mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Qual a melhor ferramenta para se preparar emocionalmente e psicologamente para os desafios profissionais de 2021?

Andrea Fuks, sócia-diretora da empresa Global LIne.

Ano Novo, Vida Nova. Trabalho Novo também? Certamente, entre os tantos pedidos e promessas desta última virada de ano, a questão profissional foi uma das mais lembradas pelos brasileiros. Não é para menos. Segundo os últimos dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em outubro, a taxa de desemprego atual é de 14,6% – um recorde histórico. Some-se a isso pessoas com subempregos, trabalhadores informais, profissionais infelizes no seu trabalho, insatisfeitos com suas empresas ou com os negócios próprios e você terá um contingente imenso de gente que deseja mudar para melhor a sua vida profissional.

Nem todos, contudo, conseguem fazer esse caminho sozinhos e, por isso, precisam da ajuda de profissionais que contribuam com seu autoconhecimento, apontando possibilidades, limites e cenários positivos e negativos. Existem três atividades que podem ser muito úteis para ajudar nesse desafio: Coaching, Mentoria e Psicoterapia/Análise.

“Todas elas, de alguma maneira, cada uma dentro do seu método, têm como objetivo melhorar a qualidade de vida das pessoas e, consequentemente, ajudá-las a tomar as melhores decisões profissionais para suas carreiras e também para suas vidas pessoais”, explica a psicóloga Andrea Fuks, diretora da Global Line, empresa que atua há mis de 20 anos no mercado brasileiro oferecendo treinamentos e consultorias na área de Recursos Humanos, atendendo mais de 50 empresas por ano. Para quem está em busca desse tipo de ajuda, seja via empresa ou por iniciativa própria, é muito importante entender como essas atividades se diferem.

“Antes de explicá-las, acho importante destacar que um bom profissional é bastante importante na boa condução de qualquer uma dessas ferramentas. Mas, assim como um nutricionista, que passa uma dieta contando que o paciente controle a sua alimentação, aqui também é preciso um comprometimento de quem recorre a qualquer um dos métodos”, destaca a especialista. Confira as diferenças entre as três atividades:

Mentoria. Acontece quando alguém com uma experiência robusta e específica sobre um determinado assunto transmite para o mentorado o seu conhecimento. É uma relação de trabalho na qual o contratado é especialista em algum assunto e passa para o seu mentorado esse seu saber.

Coaching – É um trabalho mais profundo do que a mentoria. Ao contrário do que se pensa, não tem a ver com aconselhamento. O bom Coach deve, sim, provocar ou convidar à reflexões e ampliar a visão que o Coachee está tendo das suas forças/ferramentas/estratégias para atravessar os obstáculos e desafios.  Trata-se de investigação e não de transmitir conhecimento. É fato que a prática de Coaching tornou-se muito banalizada. E, como as formações são, em geral, curtas, é absolutamente necessário, se você for contratar um Coach, analisar com cuidado a formação do profissional a ser contratado.

Psicoterapia/Análise – Aqui estamos no campo da investigação profunda, onde há um compromisso em apoiar a pessoa no encontro com a sua própria verdade. Por isso, o tempo é um grande aliado. Você começa o trabalho sem pensar quando vai terminar. E está tudo bem assim. Além disso, o profissional desta área estudou profundamente sobre a psique humana e teve que passar por um processo analítico para tornar-se analista.

É muito importante ter clareza sobre esses três tipos de trabalhos para que você consiga escolher o que pode ser melhor para si, em um determinado momento da sua vida. Ou, ainda, se você é um profissional de RH ou líder, saber sugerir e decidir em que tipo de ferramenta a sua empresa está disposta a investir ou dialogar sobre.  Os momentos mudam e você pode até precisar dos três em ocasiões diferentes, sabia?”, destaca Andrea Fuks.

Estar em um processo de Coaching ou em análise não tem nada a ver com ter um problema “sério/vergonhoso”. A pessoa que escolhe se olhar de frente é bem corajosa e provavelmente está em busca de uma melhor qualidade de vida. Estar bem consigo mesmo, claramente fará com que ela conviva melhor e mais harmoniosamente com outras – inclusive no ambiente corporativo. “É hora de desconstruir o pré-conceito sobre o desconforto emocional e trazer a parte mais humana para dentro do ambiente profissional. O ser humano é um bicho que pensa, sente e interpreta. Não somos máquinas, temos afetos, sentimentos e emoções. Construir um ambiente de relações fortes e de confiança é bom para todos os envolvidos e isso só é possível começando por um ponto, o dentro de si”, conclui Andrea.

SOBRE A GLOBAL LINE

Sabia que se você der um tapinha nas costas de algum americano não vai pegar bem? E que palitar o dente na França é fazer muito feio, enquanto na Itália isso é considerado um elogio à comida? As diferenças culturais do dia a dia podem ser gritantes. Mesmo assim, muita gente tem o sonho de seguir carreira fora do seu país. A carioca Andrea Fuks, sócia fundadora da Global Line, passou por isso. Já trabalhou fora do Brasil e vive há 22 anos fora do Rio do Janeiro. Esbarrou, como todos, nessas dificuldades. E, exatamente por isso, decidiu virar especialista em treinamento intercultural. Foi assim que nasceu a Global Line, 20 anos atrás. “Nossa missão é apoiar e acolher as dores e dificuldades dos indivíduos ou times de trabalho e transformá-las em novas possibilidades. Meu negócio são pessoas, humanização, histórias”. Hoje, a Global Line é uma empresa de treinamento e consultoria que atua na área de diferenças culturais e, também, desenvolve projetos voltados para o trabalho em equipe, a diversidade, o neurocoaching e o autoconhecimento. Andrea é psicóloga e psicanalista com especializações em terapia de casal e de família. Possui MBA em RH. É Coach e tem ampla experiência no atendimento clínico a famílias expatriadas.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Triumph Riding Experience (TRX) lança nova temporada de viagens nacionais 2021

Tour Rio do Rastro

O Brasil é um país muito rico em belezas naturais, com paisagens incríveis para serem admiradas de norte a sul do país. E a experiência fica ainda melhor se for a bordo de uma Triumph. Por isso, o Triumph Riding Experience (TRX), programa de relacionamento da marca inglesa com seu público-alvo, reforçou a agenda de viagens nacionais para a temporada 2021. No calendário da maior empresa de experiências com motos da América do Sul, estão disponíveis tours de 3 a 14 dias, com destinos como Serra do Rio do Rastro, Gramado, Pantanal, Bonito, Jalapão, Velho Chico, Costa Brasileira, Tiradentes e Estrada Real.

Há sete anos no mercado, o TRX já realizou mais de 90 viagens nacionais e internacionais, tendo atendido quase 1000 clientes, entre pilotos e garupas. A empresa opera com grupos reduzidos (máximo de dez motocicletas) para prestar suporte personalizado aos clientes, respeitando o ritmo e o perfil de pilotagem de cada um.

Os guias do TRX possuem ampla experiência em viagens nacionais e internacionais, além de certificações avançadas em pilotagem, mecânica e primeiros socorros. As viagens são divididas em três categorias: “Extreme”, “Budget” e “Experience”.

As diferenças estão nos hotéis que, no caso das viagens “Experience, são de padrão superior, além do carro de apoio que, para os tours “Budget e “Extreme trata-se de uma picape de apoio básico, com kit de primeiros socorros e mecânica. No “Experience” o suporte é feito por van, com capacidade para transporte de bagagens e eventuais passageiros. Nos tours denominados “Extreme, a quilometragem diária pode ser maior e há trechos consideráveis de off-road em alguns dias da programação.

Todos os tours incluem hospedagem em quartos duplos ou individuais, com café da manhã, guia em moto com ampla experiência no roteiro, seguro de vida e assistência de viagens, carro de apoio com kit de mecânica e primeiros socorros e despesas com pedágios. É possível participar com moto própria ou alugando uma Triumph. As motocicletas para locação possuem até seis meses de uso e são equipadas com topcase e seguro total.

“Um dos grandes benefícios de fazer uma viagem com o TRX, além de toda a nossa experiência com o mototurismo e pilotagem, é aproveitar o melhor do destino sem perder tempo por falta de conhecimento do roteiro e sem correr riscos. Uma pequena queda, um problema mecânico ou até mesmo um pneu furado podem se transformar em um grande transtorno em uma viagem sozinho”, afirma Pablo Berardi, chefe do Triumph Riding Experience.

AGENDA

▪ 21 a 30/01 – Velho Chico (Extreme)

▪ 02 a 08/02 – Costa Brasileira (Budget)

▪ 12 a 18/02 – Pantanal + Bonito (Extreme)

▪ 27 e 28/02 – Bate e Fica São Luiz do Paraitinga (Budget)

▪ 05 a 14/03 – Chapada dos Veadeiros + Jalapão (Extreme)

▪ 20 e 21/03 – Bate e Fica Paraty (Budget)

▪ 31/03 a 05/04 – Rio do Rastro (Experience)

▪ 17 a 22/04 – Estrada Real (Extreme)

▪ 24 e 25/04 – Bate e Fica Capitólio (Budget)

▪ 08 a 14/05 – Litoral Norte (Experience)

▪ 20 a 23/05 – Petar (Extreme)

▪ 29 e 30/05 – Rastro da Serpente e Morretes (Budget)

▪ 03 a 06/06 – Vale Europeu (Extreme)

▪ 19 e 20/06 – Campos do Jordão (Experience)

▪ 26/06 a 03/07 – Gramado (Experience)

O TRX também possui uma agenda de viagens internacionais para 2021, com diversos roteiros na América do Sul, América do Norte e Europa. Para saber mais, consulte: www.triumphexperience.com.br.

SOBRE O TRX

Programa de experiências para clientes da Triumph Brasil, o Triumph Riding Experience (TRX) atua em quatro principais pilares: cursos, viagens, aluguel de motos e passeios. Os cursos de pilotagem TRX estão baseados em uma metodologia testada e aprovada há mais de uma década. São oito módulos diferentes, que atendem todos os níveis de pilotagem, do básico ao mais avançado, seja no on-road ou off-road. A empresa também realiza cursos de mecânica de motocicletas. Em sete anos de atuação, aproximadamente 2.700 clientes foram treinados, em mais de 120 edições de cursos.

O TRX também se especializou em viagens de moto no Brasil, América do Sul e outros países. Já foram realizadas mais de 96 viagens internacionais, proporcionando uma experiência inesquecível a aproximadamente 1000 clientes, entre pilotos e garupas. A empresa inovou no mercado duas rodas com o serviço de aluguel de motos. A frota para locação conta com diversos modelos da linha Triumph, disponíveis para aluguel avulso ou para participação nos cursos, passeios ou viagens TRX. Clientes de todo o Brasil são atendidos com a realização de eventos anuais (TRX Days) nas cidades nas quais a Triumph possui concessionária. O calendário de atividades pode ser consultado em: www.triumphexperience.com.br.

SOBRE A TRIUMPH

A Triumph Motorcycles Brazil é uma das 12 subsidiárias da empresa pelo mundo e conta com sede em São Paulo (SP) e fábrica em Manaus. A marca conta com 18 Concessionárias no Brasil nas cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São José dos Campos (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Londrina (PR), Vitória (ES), Várzea Grande (MT), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). A Triumph possui o portfólio mais completo do mercado entre as marcas premium, oferecendo três pilares principais de produtos: Clássica, Adventure e Roadster. Fundada em 1902, a Triumph Motorcycles é uma empresa global, atuando diretamente em 13 países, por meio de suas filiais, e indiretamente em mais 57 mercados, através de distribuidores independentes. A Triumph é a maior fabricante britânica de motos e a marca que mais cresce no segmento acima de 500 cc nos países nos quais está presente. O faturamento mundial da empresa gira em torno de R$ 2,1 bilhões e suas vendas no varejo superam as 63.400 unidades anuais, com produção acima de 67.000 motos por ano. No mundo todo, a Triumph possui mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

A importância de estar aberta ao novo na vida profissional (*)

Estar aberto ao novo é fundamental para não se tornar obosoleto num futuro próximo.

Dois meses atrás li um post aqui na rede que achei muito criativo! Obrigada @Ana Paula Rodrigues. Peguei carona na sua ideia. Minhas transições de carreira começaram muito antes do que vocês imaginam.

1980, 12 anos, bailarina. Passava tardes e mais tardes dançando e esperando ansiosa pela roupa de apresentação do final de ano.

1985, 17 anos, ainda bailarina. Agora, dançando com sapatilha de pontas e ouvindo as músicas sendo tocadas ao vivo no piano. Até que, um dia, percebi que para continuar na dança deveria treinar mais e mais. Desisti, pois outras atividades me chamavam atenção.

1987, 19 anos, atriz. Me formei em artes cênicas. Contar histórias através de personagens era algo que me encantava. Cheguei a passar madrugadas ensaiando para atuar em festas infantis e no teatro do Barra Shopping. Até que um dia percebi que a carreira de atriz não era para mim. Desisti.

1989, 22 anos, estudante de psicologia. Me surpreendi com as ideias de Freud e o estágio em um hospital psiquiátrico. Passava tardes e mais tardes lendo, conversando sobre os casos atendidos e uma paixão platônica pelo professor de Psicanálise.

1995, 27 anos, psicóloga clínica. Já fazia dois anos que tinha me formado. Decidi fazer uma especialização em Psicanálise. Abri um consultório e por muitos dias ficava sozinha lendo e esperando o telefone tocar. Mas a convicção pela clínica era um fato.

1998, 30 anos. Consultora, após morar dois anos nos Estados Unidos. De volta ao Brasil, me vi trabalhando para empresas, apoiando executivos (as) expatriados chegando no Brasil ou saindo do Brasil. A vida me trouxe para essa experiência e eu abracei.

De lá para cá, continuo como consultora, professora, treinadora, facilitadora e coach. Me tornei uma especialista em Saúde Mental. De tudo que já fui e sou profissionalmente, o ponto em comum é a paixão por pessoas, histórias e arte.

O que será que vem por aí?

De tudo isso, uma grande lição: estar aberta ao novo. O mercado de trabalho está mudando com a pandemia e com a chegada de novas tecnologias. Estar aberto ao novo, se atualizando na sua área ou mesmo se reinventando, é imprescindível para que muitos profissionais não se tornem obsoletos num futuro próximo.

(*) Artigo de Andrea Fuks, sócia diretora da Global Line, cliente da g6. Para ler o artigo completo no perfl do LInkedin de Andrea, acesse:

https://www.linkedin.com/pulse/import%25C3%25A2ncia-de-estar-aberta-ao-novo-na-vida-andr%25C3%25A9a-fuks-1f

Você é o profissional que a empresa procura?

O mercado de trabalho mudou. Saiba se preparar para este novo cenário profissionql.

O desemprego no Brasil, especialmente com a pandemia e o isolamento social, vem crescendo a cada mês. De acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no final do mês passado, a taxa de desemprego no País subiu para 14,6% no trimestre julho-setembro, contra 14,4% no período junho-agosto, o que representa o terceiro recorde histórico consecutivo.

Esse percentual indica que 14,1 milhões de pessoas estavam sem emprego neste período. Mas temos de lembrar que, mesmo antes da pandemia, a situação já era delicada. Em novembro de 2019, o índice oficial de pessoas sem trabalho era de 11,8% – “apenas” 1,6 milhão de pessoas a menos. Mas também há números positivos neste cenário: em outubro, por exemplo, houve um crescimento de quase 400 mil vagas nos empregos formais – um volume bem superior ao previsto pelos analistas.

Diante deste quadro, a pergunta que eu sugiro aos desempregados é muito simples: “Por que eu ainda estou sem emprego?”. Se você for um desses 14,1 milhões de brasileiros, acho muito importante essa reflexão. Acredite: é o jeito mais fácil e eficiente de você mudar sua trajetória profissional e retornar o mais rápido possível ao mercado de trabalho.

Segundo estudos de especialistas em Recursos Humanos, com as rápidas mudanças no ambiente de trabalho nos dias atuais, como a chegada de novas tecnologias para certas funções, uma pessoa comum que começar a trabalhar hoje terá, em média, cerca de 14 empregos de tempo integral ao longo de sua carreira profissional. Além disso, essa pessoa poderá ter até mais do que cinco carreiras completas durante sua vida. O que mostram esses dados? Principalmente, indicam que só vão sobreviver os profissionais capazes de não só se adaptarem às novas rotinas, mas também de permanecerem constantemente se atualizando e aprendendo coisas novas. Quem não seguir essa regra de ouro poderá num curto espaço de tempo estar obsoleto. Ou seja: seu trabalho não terá mais valor.

Desde o início de 2020, no mundo todo, assistimos a uma verdadeira revolução no mercado de trabalho e nas necessidades das empresas. Para alguns analistas é a maior transformação econômica do planeta desde a Segunda Guerra Mundial. Exatamente por isso, a revista Exame de Portugal acaba de publicar uma edição cuja matéria de capa tem a seguinte manchete sobre o futuro do trabalho: “As pessoas que as empresas procuram”. Será que você é uma dessas pessoas que as empresas estarão procurando em 2021? A reportagem traz muitas informações reveladoras. Por exemplo: segundo a Confederação Empresarial de Portugual, em parceria com a McKinsey, uma empresa de consultoria norte-americana com atuação global, 50% do tempo gasto em 2019 em diversas atividades profissionais pode ser automatizada com tecnologias que já existem. Esse percentual poderá chegar a 67% até 2030, com o desenvolvimento de novas tecnologias. Ou seja: muita gente poderá mesmo se tornar obsoleta nos próximos anos se não se reinventar.

Segundo a reportagem, economistas portugueses alertam sobre um cenário, em Portugal, que parece feito sob medida para a nossa situação aqui no Brasil. Para eles, as profissões com menores qualificações e salários são menos propensas ao trabalho remoto. Isso significa que a pandemia poderá acentuar ainda mais a desigualdade social no mundo todo. A revista mostra, ainda, que oportunidades profissionais continuarão a existir. O grande desafio será o desencontro entre o que as empresas vão buscar e o perfil da mão de obra disponível. Um exemplo citado são os profissionais com fortes competências digitais, que terão, cada vez mais, maior probabilidade de encontrarem uma vaga e com condições mais vantajosas. Para este perfil de trabalhador, não há mais fronteiras para o seu futuro emprego: remotamente, as pessoas poderão morar numa cidade ou país e trabalhar para empresas instaladas em outras regiões do mundo.

Em resumo, no pós-Covid, quando a economia global iniciar sua retomada, o perfil do emprego estará, cada vez mais, diferente do que era até 2019. Para você fazer parte deste jogo, é importante entender que, mesmo em tempos de crise, os empregos continuam a existir. Mas nem todos têm qualificação necessária ao perfil da vaga.

Seja o protagonista da sua trajetória profissional. Muitas vezes precisamos de ajuda ou apoio neste momento. Por isso, procure por profissionais especializados, como um coach, por exemplo, ser for necessário, para avaliar qual é o melhor caminho para você seguir a partir de agora. Sua empregabilidade não será questão de sorte ou coincidências e sim resultado do esforço que você empregará com determinação, motivação e um plano de ações efetivas que tragam resultados promissores em sua carreira.

Veja este artigo completo no llinkedin da sua autora, Mari Clei Araújo, diretora da MC Coaching & Consultoria:

https://www.linkedin.com/pulse/voce-%25C3%25A9-o-profissional-que-empresa-procura-mari-clei-araujo

Eletricz lança bicicleta elétrica com design futurístico e portátil

Bicicleta elétrica Ozo-a Hero, da marca israelense Inokim.

A Eletricz oferece para o consumidor brasileiro um modelo de bike elétrica com design ousado e futurístico, premiado internacionalmente. É a Ozo-a Hero, da marca israelense Inokim, que vem se destacando globalmente entre os fabricantes de micros modais elétricos pela qualidade de seus produtos. Ela é bivolt, e equipada com um motor de 240 W, que lhe garante velocidade máxima de 25 km/h. Sua autonomia com uma única carga chega a até 60 quilômetros com o auxílio dos pedais. Se o usuário utilizar a bike sem pedalar, a autonomia passa para até 32 quilômetros. Sua bateria de lítio (36 V/7,8 Ah) é removível (com um sistema de trava antifurto), permitindo que o usuário a retire facilmente e a leve para dentro de casa para ser recarregada na tomada residencial. O tempo de recarga (aproximado) é de quatro horas.

Além de ser bem leve (22 kg), graças às peças e estruturas de alumínio, a Ozo-a Hero tem dimensões compactas.  Aberta, pronta para ser usada, ela mede 137 cm de comprimento, 59 cm de largura e 101,5 de altura. Com o guidão dobrado, sua altura é reduzida para 77 cm (as outras medidas não mudam), para facilitar a colocação num porta-malas ou num cantinho do escritório, por exemplo. A bike tem capacidade para transportar até 100 kg. O modelo é equipado com freios a disco na dianteira e na traseira e seus pneus são aro 16. Ela também conta com sistema de suspensão traseiro.

O design futurístico da bicicleta é inspirado na letra Z. Sua estrutura foi desenvolvida como uma linha contínua principal que liga todos os recursos da bicicleta, como o guidão, roda dianteira, roda traseira motorizada, assento e pedais. O desenho do quadro, juntamente com os pneus, forma a palavra “Ozo”. Mas ela também pode ser parcelada, pelo site da empresa (www.eletricz.com.br) em até 12 prestações fixas de R$ 915,00 – totalizando, a prazo, R$ 10.980,00. Na loja física de São Paulo (SP), ela pode ser adquirida em até 18 prestações fixas de R$ 610,00 ou à vista, por 9.882,00 (já com 10% de desconto).

Para fugir dos grandes congestionamentos, as pessoas estão substituindo o transporte convencional  por meios alternativos de locomoção. A bicicleta elétrica, por exemplo, desponta como uma das propostas de transporte que mais cresce: ao todo já são cerca de 70 milhões de bikes (convencionais e elétricas) rodando pelo país, segundo a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares). A bicicleta elétrica portátil, portanto, têm despontado como uma opção inteligente, sustentável e muito versátil para a mobilidade urbana no dia a dia, pois cabe facilmente em qualquer cantinho.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Motocicletas Triumph conquistam três premiações na eleição “Moto do Ano”

Triumph Rocket 3R: uma das vencedoras do concurso “Moto do Ano”.

A Triumph Motorcycles foi um dos grandes destaques da 23ª edição do prêmio “Moto do Ano”, promovida pela revista Duas Rodas, cujos resultados foram anunciados na última sexta-feira (20 de novembro), em live comandada por Leandro Mello, piloto de testes e editor da publicação, e Karina Simões, jornalista especializada em motociclismo.

Quase 80 modelos passaram por avaliações dinâmicas e receberam notas para os quesitos motor, freios, suspensões, agilidade, conforto, design e custo-benefício por um júri composto por jornalistas especializados. As avaliações duraram dois dias e foram realizadas no Circuito Panamericano, em Elias Fausto (SP).

A Triumph foi a marca mais premiada desta edição, ao lado da Kawasaki (que também recebeu três troféus), superando todas as demais fabricantes de motocicletas que operam no mercado brasileiro. Na categoria “Classic”, já vencida em 2019 com a Scrambler 1200 XE, desta vez a vitoriosa foi a Speed Twin. Na categoria “Muscle Bike”, a Triumph venceu com sua Rocket 3R, lançada neste ano, que é equipada com o maior motor do mundo entre as motos produzidas em série e detentor do recorde de velocidade de 0 a 100 km/h em apenas 2,7 segundos. Já na categoria “Naked”, vitória da Street Triple RS, com seu incrível motor de 765 cc que equipa as motocicletas da Moto2 e que também chegou ao consumidor brasileiro em 2020.

Lançada no Brasil em 2012, a Triumph vem conquistando diversas premiações importantes do setor nestes oito anos de operação no mercado nacional. A empresa já soma, com estas novas conquistas, 70 prêmios no País. É uma média impressionante de quase nove prêmios por ano!

TRIUMPH SPEED TWIN

Essa vitória mostra como a Triumph está dominando, globalmente, o mercado de motocicletas clássicas. Nenhuma outra marca oferece um leque tão diversificado de motocicletas clássicas no mundo. Por isso, a Triumph é a fabricante que mais cresce neste segmento atualmente. Para obter este sucesso todo, a marca consegue unir uma tecnologia de última geração com modelos com visual retrô – em geral motos modernas que remetem a modelos históricos que fizeram fama ao longo dos 118 anos de existência da marca.

A Speed Twin é baseada na tradicional e inesquecível Speed Twin original, produzida pela Triumph em 1938, incorporando todo o estilo, conforto, requinte e tecnologia de última geração da atual família Bonneville. A Speed Twin reúne o mesmo estilo contemporâneo da bem-sucedida Street Twin, embora com mais detalhes e recursos premium, o excelente desempenho e tecnologia da café racer Thruxton R e, ainda, o estilo mais confortável de pilotagem oferecido pela Bonneville T120. O resultado é uma motocicleta única, atual e empolgante.

O modelo traz de volta esse lendário nome criado pela Triumph e estabelece uma nova categoria de referência para a pilotagem e sensação de uma roadster customizada, com pilotagem e sensações líderes na categoria e um desempenho empolgante. Mudando a cara do motociclismo, a Speed ​​Twin 1938, com o primeiro motor duplo paralelo bem-sucedido do mundo, construído em um chassi revolucionário, foi uma grande revelação para o mercado mundial de duas rodas. Seu manuseio dinâmico suave e sua excelente sensação de resposta estabeleceram a Triumph como a marca número um de motocicletas em todo o mundo quanto ao desempenho e manuseio, definindo o modelo como referência para tudo o que se seguiu depois e ganhando uma reputação global por ser a primeira e verdadeira “motocicleta de motociclistas”.

A moto é equipada com motor de 1200 cc, estabelecendo um novo padrão na pilotagem líder da categoria e fornecendo uma nova referência de pilotagem e sensação de uma roadster moderna e customizada. Ela fornece todo o torque, potência e tecnologia da Thruxton R em uma configuração moderna ainda mais acessível. Além disso, oferece a pilotagem inspiradora e o conforto do piloto presente na Bonneville T120, porém, com uma ergonomia ainda mais envolvente. O resultado, assim como aconteceu com o modelo original do século 20, é um novo ícone de desempenho que estabelece um novo padrão, com a configuração do chassi, posição de pilotagem, capacidade de frenagem, suspensão e entrega de potência empolgante de uma roadster verdadeiramente moderna.

TRIUMPH ROCKET 3 R

Lançada em 2004, a lendária Triumph Rocket III sempre se destacou por sua força maior, presença incrível e torque superior a qualquer outro modelo da concorrência. A Rocket 3 R é equipada com o maior motor do mundo para uma motocicleta produzida em série, com 2.500 cc. O novo motor oferece 11% mais potência do que a geração anterior (agora são 167 cv a 6.000 rpm) e o maior torque entre todas as motocicletas do planeta, com 221 Nm (a 4.000 rpm).

Combinando uma postura incomparável, muita força, estilo magnífico e os mais altos níveis de tecnologia do mundo das motocicletas, a nova Triumph Rocket 3 R consegue, ao mesmo tempo, oferecer uma pilotagem fácil e um manuseio líder na sua categoria. Torque instantâneo, controle incrível e muito conforto, capacidade e segurança em viagens são alguns dos pontos marcantes do novo modelo.

O novíssimo motor triplo (uma especialidade da Triumph) de 2.500 cc oferece capacidade e desempenho ainda maiores do que o seu antecessor – para uma aceleração incrível e uma condução durante todo o dia em qualquer marcha, sem esforço. Este propulsor oferece um incrível aumento no pico de potência, que agora chega a 167 cv (a 6.000 rpm), o que representa um aumento de 11% em relação ao seu antecessor. Com mais potência na faixa entre 3.500 e 7.000 rpm, a nova Rocket 3 R oferece um nível impressionante de desempenho.

O novo motor também possui o torque mais alto do que qualquer motocicleta de produção em série no mundo, com 221 Nm – espantosos 71% a mais do que a concorrente mais próxima. Com uma curva de torque incrivelmente plana e rica, atingindo o pico a 4.000 rpm, mantém o torque máximo em toda a faixa intermediária, proporcionando aceleração e resposta sem esforço em qualquer marcha.

Oferecendo muito conforto ao piloto e um nível de controle impressionante sobre o desempenho poderoso da Rocket 3 R, há uma embreagem hidráulica que permite ao piloto uma ação leve no comando da embreagem para mudanças de marchas. Além disso, a caixa de engrenagens helicoidais de seis velocidades e alto desempenho, foi projetada para ser mais suave, mais forte e mais leve do que uma caixa de engrenagens padrão e foi desenvolvida especificamente para permitir o aumento da capacidade de torque desta nova geração. Se o cliente desejar ainda mais conforto e performance, encontrará entre os acessórios do modelo o recurso Triumph Shift Assist, para realizar as trocas de marchas sem a necessidade de acionamento da embreagem.

TRIUMPH STREET TRIPLE RS

Em 2017, a Street Triple teve seu renomado motor triplo de 675 cc totalmente aperfeiçoado, evoluindo para o emocionante propulsor de 765 cc, que, novamente, redefiniu a categoria. Com ele e muitas outras inovações tecnológicas, a Street Triple RS tornou-se a motocicleta mais leve da categoria, com tecnologia de ponta, chassi de alta especificação e o excepcional padrão de acabamento e detalhamento característicos de uma autêntica Triumph.

Neste modelo, a marca deu um novo passo à frente. Primeiro, a empresa levou o seu motor triplo de 765 cc para disputar a Moto2 e investiu nele para aumentar ainda mais o seu desempenho nas pistas de competição. O excelente resultado veio já no primeiro ano de participação na Moto2, com mostram os números. Depois, com a experiência das pistas, a Triumph decidiu melhorar ainda mais o desempenho do motor original de 765 cc da Street Triple RS – ele, agora, apresenta um estilo completamente novo, mais agressivo, e foi projetado para restabelecer a referência da categoria em termos de capacidade e manuseio, tornando essa a motocicleta de rua de desempenho definitivo.

O motor de 765 cc da Street Triple RS ganhou um aumento significativo no seu torque, que agora ficou 9% maior na faixa intermediária de rotações, atingindo um pico de 79 Nm (a 9.350 rpm). Um novo escapamento suaviza a curva de torque do motor para obter um torque emocionante e utilizável desde o início até as faixas de rotações mais elevadas. A curva de potência também aumentou 9% na faixa intermediária, chegando a 123 cv (a 11.750 rpm), tornando a nova Street Triple RS uma motocicleta com uma pilotagem totalmente viciante. As atualizações do motor incluíram um novo escape otimizado para mais desempenho intermediário e nova usinagem, de maior precisão no eixo da manivela, embreagem e balanceador, o que reduz a inércia e diminui a massa do motor. O acelerador é ainda mais responsivo, como resultado de uma redução de 7% na inércia rotacional, que, combinada com o aumento do torque em todas as faixas de rotações, proporciona uma melhoria notável no desempenho.

Há também um novo silenciador na Street Triple RS, que agora flui mais livremente, devido ao sistema de catalisador duplo, reduzindo as emissões. O escapamento conta com uma tampa da extremidade de fibra de carbono esportiva, que oferece um som triplo significativamente melhorado e mais distinto. Isso é resultado, ainda, dos refinamentos do sistema de escape e do novo duto de admissão, que, juntos, melhoram a nitidez e a pureza do som, com um equilíbrio mais suave entre o som da entrada e o silenciador.

A caixa de câmbio suave e refinada da Street Triple RS possui relações de transmissão com a 1ª e a 2ª marchas mais baixas, proporcionando desempenho excepcional de aceleração e de troca de marchas. A usinagem de alta precisão também permite a remoção das engrenagens anti-folga, reduzindo a massa e adicionando mais refinamento. Além disso, a Street Triple RS mantém seu sistema de embreagem auxiliar de alta especificação, para uma sensação realmente leve, reduzindo o esforço do manete a embreagem e melhorando o conforto e o controle do piloto.

Além dos aperfeiçoamentos no motor, a Street Triple RS também ganhou um novo visual, muito mais agressivo. Os faróis de LED, por exemplo, foram completamente renovados, ficando mais bonitos e eficientes. Eles ficaram mais brancos e brilhantes, tornando-se muito mais visíveis. Os Faróis de Rodagem Diurna apresentam um design totalmente novo e ainda mais distinto, o que também aumenta a visibilidade e a segurança da motocicleta. A nova Street Triple RS possui uma carenagem completamente nova, que é mais angular, mais esportiva e com linhas muito mais limpas. A nova tela e a entrada de ar são mais pronunciadas, combinando com o design dos novos faróis. Os painéis laterais, a rabeta e o protetor inferior, entre outros itens, são totalmente novos e mais modernos.

SOBRE A TRIUMPH

A Triumph Motorcycles Brazil é uma das 12 subsidiárias da empresa pelo mundo e conta com sede em São Paulo (SP) e fábrica em Manaus. A marca conta com 18 Concessionárias no Brasil nas cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São José dos Campos (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Londrina (PR), Vitória (ES), Várzea Grande (MT), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). A Triumph possui o portfólio mais completo do mercado entre as marcas premium, oferecendo três pilares principais de produtos: Clássica, Adventure e Roadster. Fundada em 1902, a Triumph Motorcycles é uma empresa global, atuando diretamente em 13 países, por meio de suas filiais, e indiretamente em mais 57 mercados, através de distribuidores independentes. A Triumph é a maior fabricante britânica de motos e a marca que mais cresce no segmento acima de 500 cc nos países nos quais está presente. O faturamento mundial da empresa gira em torno de R$ 2,1 bilhões e suas vendas no varejo superam as 63.400 unidades anuais, com produção acima de 67.000 motos por ano. No mundo todo, a Triumph possui mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários.

PRESS RELEASE COMPLETO

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Pesquisa exclusiva mostra dicas, tendências e desafios do trabalho remoto com a pandemia

Andrea Fuks, diretora da empresa Global Line.

A pesquisa “Mobility 2020” é realizada anualmente com profissionais de Recursos Humanos, em parceria, pela empresa brasileira Global Line, especializada em treinamento e consultoria que atua nas áreas de diferenças culturais, trabalho em equipe, diversidade, neurocoaching e autoconhecimento, e pela norte-americana Worldwide ERC, que ocupa uma posição central na indústria de talento e da mobilidade de profissionais entre diferentes regiões do mundo. Neste ano, o estudo foi realizado entre os meses de agosto e outubro, coletando respostas de 145 empresas multinacionais que atuam no Brasil. As empresas que responderam a pesquisa são predominantemente de grande porte, sendo que 69% delas possui mais de 10.000 funcionários e 70% faturam mais de US$ 1 bilhão por ano. A maioria delas (61%) tem sede fora do Brasil.

“Esta é uma pesquisa amostral e não um censo e, portanto, situações específicas ou pequenos subgrupos podem não estar adequadamente representados. Porém, com base em nossa experiência, entendemos que a amostra das empresas respondentes é ampla e diversa o suficiente para caracterizar de forma precisa o mercado como um todo”, explica Andrea Fuks, diretora da Global Line. A pesquisa, que está em sua nona edição, é dividida em duas partes. Na primeira, o foco é nas melhores práticas de Global Mobility. Em 2020, a segunda parte foi ouvir os profissionais de Recursos Humanos sobre a experiência com o Home Office em tempos de pandemia.

Antes da pandemia, o Home Office era um modelo de trabalho pouco utilizado pelas empresas consultadas – apenas um em cada sete profissionais praticava o trabalho remoto – e a sua aplicação provocou grandes desafios de adaptação para os profissionais, sobretudo em relação ao equilíbrio entre as atividades profissionais e pessoais em um mesmo ambiente – a residência da pessoa. Mas os dados obtidos mostram que estes desafios foram respondidos com o desenvolvimento de novas atitudes e habilidades, que permitiram superar as dificuldades e, hoje, a grande maioria dos profissionais se sente confortável com o modelo de trabalho remoto.

De acordo com a pesquisa, até março de 2019, somente 25% das empresas consideravam o trabalho remoto como uma alternativa integrada à sua estrutura e cultura. Antes da pandemia, apenas 26% enxergavam o Home Office como uma prática estratégica e real. Para 24% dos entrevistados, seria uma iniciativa aceitável para alguns cargos e posições (profissionais de vendas, por exemplo). 23% apontaram o trabalho remoto apenas como um saída para situações específicas, 14% admitiram que é um assunto presente nas reuniões de RH mas que nunca saiu do papel e 12% afirmaram que ele nunca foi considerado.

A pesquisa também questionou as empresas sobre as principais dificuldades enfrentadas pelo trabalho remoto. Os resultados mostraram que o grande desafio é coordenar e separar atividades domésticas e profissionais no mesmo espaço – foi o que responderam 44%. 42% colocaram a conexão caseira de internet como um problema. Para 40%, ruídos e interrupções caseiras são outro problema. 38% admitiram dificuldades para controlar seus horários de começar e encerrar o trabalho. 7% reclamaram das vídeos-conferências em outros idiomas, enquanto 2% têm dúvidas sobre o que vestir nestas reuniões virtuais.

O estudo detectou aprendizados interessantes dos profissionais que praticaram o Home Office, como adaptabilidade e paciência (18%), equilíbrio de vida pessoa/profissional (16%), organização e disciplina (16%), gestão do tempo (11%), abertura ao novo e criatividade (10%), empatia (6%), valorização dos relacionamentos (6%) e manter foco (6%). Ou seja: o trabalho remoto e o isolamento social também estimularam o desenvolvimento de novas atitudes em relação à adaptação e também o aprofundamento de habilidades específicas de organização e gestão, que são fatores bastante positivos gerados por esta situação inusitada.

Graças a esses aprendizados, algumas atividades que pareciam muito difíceis a princípio, acabaram e mostrando mais fáceis. Exemplos: comunicação de trabalho em equipe (25%), trabalhar em casa (19%), gestão do tempo pessoal/profissional (18%), não sair de casa (9%), manter o foco (8%), adaptação (8%) e isolamento (5%).

No balanço geral, apesar de ter demandado muita energia, o trabalho remoto vem gerando sentimentos majoritariamente positivos: Produtivo (52%), Protegido (47%), Cansado (45%), Focado (35%), Conectado (30%), Solitário (17%), Solidário (14%) e Receoso (13%). Entre os profissionais entrevistados, 58% afirmaram estar “muito confortáveis” com o trabalho remoto, contra 36% de pessoas “confortáveis” e apenas 6% “desconfortáveis”. Sobre a dificuldade de trabalhar com equipe remota, 91% classificaram essa atividade de “muito parecido com o normal”, “muito fácil”, ou “fácil”. Apenas 9% responderam “difícil”.

Apesar desses números, a pesquisa mostra que ainda existem arestas para serem aparadas. Perguntados sobre os desafios de trabalhar remotamente, os profissionais ouvidos afirmaram: socializar (68%), desenvolver confiança (33%), comunicar (28%), dar feedback (22%), manter a meta comum (22%), liderar (15%) e fazer amigos (14%). São desafios importantes ainda não resolvidos para a construção de equipes fortes e com boa performance.

Além disso, os profissionais apontam, para as empresas, diversos pontos de melhoria que devem ser considerados na continuidade do trabalho remoto: segurança de dados (79%),  comunicação efetiva (74%), maior foco em uma cultura humanizada e  colaborativa (70%), manter o engajamento dos trabalhadores (65%), receber/acolher os novos colaboradores (53%), repensar práticas organizacionais (52%), avaliação de performance (51%) e investir em ferramentas /treinamentos para o desenvolvimento humano (49%). Como se vê, uma das tendências mostradas nesses números é que a incorporação do modelo de trabalho remoto demandará maior foco das empresas no desenvolvimento de habilidades interpessoais, como comunicação e colaboração.

PROFISSIONAIS EXPATRIADOS

A população de transferidos cobertos pela pesquisa foi de 4.890 profissionais. Entre 2019 e 2020, houve uma significativa queda (16%) da população de profissionais transferidos. Essa queda foi gerada, em grande parte, pela forte redução no volume de estrangeiros transferidos para o Brasil, que caiu 49%. Esses números são um reflexo da pandemia, que reduziu a atratividade do Brasil como destino, tanto por questões de saúde quanto de expectativas econômicas. Também houve uma redução importante, de 37%, na quantidade de profissionais brasileiros enviados para trabalhar em empresas brasileiras fora do Brasil.

Entre os profissionais que foram transferidos para outro país, a maior parte (92%) mudou-se por um período superior a um ano. Transferências de curto prazo (de três a 12 meses) responderam por 79%; transferências definitivas, 69%; viagens de negócios estendidas, 34%; trainee ou estagiário internacional, 30%; rotação de posições, 20%; transferência temporária, 19%; pós-graduação ou graduação (5%).

As equipes de mobilidade geralmente fazem parte da área de remuneração e benefícios. 60% dos entrevistados trabalham nessa área. Eles percebem sua contribuição à empresa de forma diversa, ligada tanto ao negócio quanto diretamente aos indivíduos que atendem. Para a maioria dos entrevistados (34%), sua principal contribuição à empresa é o “Apoio ao negócio”.


SOBRE A WORLDWIDE ERC

A Worldwide ERC ocupa uma posição central na indústria de talento e mobilidade, que está em constante transformação visando apoiar as empresas em atividades críticas para operar e competir globalmente, como: recrutamento, desenvolvimento de equipes e a conexão de pessoas e habilidades de que as organizações precisam, onde e quando precisam. Desde 1964, a Worldwide ERC desenvolve uma dinâmica e inovadora comunidade de profissionais, capacitando profissionais de mobilidade através de conexões relevantes, informação imparcial e ideias e soluções inspiradoras. A empresa fica na área metropolitana de Washington, nos Estados Unidos.

SOBRE A GLOBAL LINE

A Global Line é uma empresa de treinamento e consultoria que atua nas áreas de diferenças culturais, trabalho em equipe, diversidade, neurocoaching e autoconhecimento. A companhia tem mais de 20 anos de experiência e sua sede fica em São Paulo (SP). Global Line atende cerca de 50 empresas por ano, treinando e capacitando até hoje 10.000 profissionais.

PRESS RELEASE COMPLETO: