IBMS promove Webinar sobre o mercado de micros modais elétricos

Monociclos elétricos ganham espaço no mercado brasileiro e viram opção real para uma mobilidade urbana com mais qualidade de vida.

O Instituto Brasileiro de Mobilidade Sustentável (IBMS), criado no final do ano passado, promove no próximo dia 28 de maio, das 10h às 12h, o seu primeiro evento oficial voltado para o segmento da eletromobilidade. Será o “1º Webinar IBMS: Mercado de Levíssimos”, que vai avaliar o atual momento e as tendências desse setor que inclui os micros modais elétricos – monociclos, patinetes e bicicletas.

“Queremos discutir como esse segmento vai se desenvolver no Brasil no cenário atual, considerando os espaços disponíveis para o uso compartilhado dos diferentes modais, o crescimento vivido nos últimos anos, as novas tecnologias quem vêm sendo incorporadas e as necessárias adequações na legislação sobre a mobilidade urbana que deverão ser avaliadas para garantir o conforto e segurança de todos os usuários”, explica Ricardo Guggisberg, presidente do IBMS.

Para debater sobre estes temas foram convidados os seguintes especialistas:

José Police Neto – Ex-vereador de São Paulo, foi eleito pela ONG Voto Consciente e pela revista Veja SP como o melhor vereador de SP por oito anos consecutivos. Especialista em mobilidade urbana, Police é autor de projetos para tornar a cidade mais moderna e justa do ponto de vista da locomoção das pessoas.

Márcio Canzian – CEO da Eletricz, referência no mercado brasileiro de monociclos elétricos, e diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (Abve).

Rui Felipe – Fundador da Riba Share, empresa especializada na locação de scooters elétricas na cidade de São Paulo.

Felipe Nunes – Diretor da Bull Motors, empresa brasileira especializada na produção e comercialização de veículos motorizados, incluindo sua linha Íon, de motos elétricas.

Daniel Guth – Ele é diretor executivo da Aliança Bike (Associação Brasileira do Setor de Bicicletas), além de ser consultor e pesquisador em políticas de mobilidade urbana.

Flávia Consoni – Professora da Unicamp com mestrado e doutorado em Política Científica e Tecnológica, e formação em Ciências Sociais.

O mediador do bate-papo será Marcus Regis, representante da Plataforma Nacional de Mobilidade Elétrica (PNME), que agrega mais de 30 instituições que incluem órgãos governamentais, agências, indústria, academia e sociedade civil. Entre seus objetivos está a construção de metas de longo prazo para a mobilidade elétrica no Brasil.

COMO PARTICIPAR?

Para assistir ao “1º Webinar IBMS: Mercado de Levíssimos” é preciso se inscrever gratuitamente pelo site https://mobilidadesustentavel.org.

SOBRE O IBMS

O IBMS tem como objetivo se transformar em uma ferramenta para incentivar e viabilizar, em todas as suas vertentes, o mercado brasileiro da eletromobilidade – a mobilidade por diferentes tipos de veículos elétricos. “Queremos contribuir, principalmente, com o desenvolvimento tecnológico deste setor, com a geração de mais conhecimento nesta área e, também, com a busca por investimentos internacionais em fundos criados para apoiar o desenvolvimento sustentável da mobilidade”, explica seu presidente.

Ricardo Guggisberg é um especialista em eletromobilidade, conhecido nacionalmente. Já foi presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) e foi ele quem criou o evento “Salão de Mobilidade Elétrica e Cidades Inteligentes” (“VE Latino Americano”). “Queremos promover a inovação da mobilidade no Brasil e, para isso, vamos criar projetos específicos e buscar recursos internacionais para concretizá-los”, acrescenta.

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

IBMS participa de projeto para criação de “cidades inteligentes” viáveis e com tecnologia já disponível

Projeto “Cidades Inteligentes” prevê a construção de ciclovias para a população.

O Instituto Brasileiro de Mobilidade Sustentável (IBMS), criado em novembro do ano passado, faz parte de um projeto ousado para propor e desenvolver “cidades inteligentes” reais, voltado principalmente para pequenos municípios brasileiros com população entre 15.000 e 50.000 habitantes. “Nossa proposta é levar soluções tecnológicas de ponta para toda a administração pública dessas cidades, envolvendo diversos setores, mas com foco principal na mobilidade urbana sustentável e limpa”, explica Ricardo Guggisberg, presidente do IBMS.

Quando se fala em “cidades inteligentes”, muita gente logo pensa em locais futurísticos, equipados com tecnologias que ainda nem existem ou, se já existem, ainda exigem investimentos elevadíssimos. Há mais de um projeto desse tipo pelo mundo. Em janeiro, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, fez o lançamento mundial do projeto chamado The Line (A Linha). Trata-se do projeto de uma megacidade inteligente que eles já estão construindo, chamada Neon, e totalmente planejada. É, provavelmente, o maior projeto urbano em desenvolvimento no mundo hoje, com custo estimado em meio trilhão de dólares.

Uma cidade que está mais para ficção científica do que para a realidade. O projeto de “cidades inteligentes” do qual o IBMS faz parte segue em outra direção, muito mais acessível e realística. O embrião desse estudo, que inclui especialistas de diversas áreas, está sendo planejado para ser implantado dentro do futuro Parque Científico e Tecnológico de Macaíba, instalado dentro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Macaíba (RN) – distante 27 quilômetros de Natal.

O projeto está em fase inicial de estudos, mas deverá abranger, na área de mobilidade urbana, inovações como transporte sustentável, eletromobilidade, criação de infraestrutura para carregamento de veículos elétricos (incluindo micro modais como monociclos, bikes e patinetes elétricos) e construção de ciclovias. Mas o projeto é maior do que isso, e deverá se estender a toda a administração pública, como educação, saúde, saneamento básico e segurança pública, por exemplo.

“A partir da implantação dessas inovações no Parque Científico e Tecnológico, nossa expectativa é que essas tecnologias se espalhem por todo o município de Macaíba, o quinto mais populoso do estado, e também para as cidades vizinhas, como São Gonçalo do Amarante e Parnamerim, trazendo muita evolução para a região e bem-estar e conforto para a população local”, diz Guggisberg.

SOBRE O IBMS

O IBMS tem como objetivo se transformar em uma ferramenta para incentivar e viabilizar, em todas as suas vertentes, o mercado brasileiro da eletromobilidade – a mobilidade por diferentes tipos de veículos elétricos. “Queremos contribuir, principalmente, com o desenvolvimento tecnológico deste setor, com a geração de mais conhecimento nesta área e, também, com a busca por investimentos internacionais em fundos criados para apoiar o desenvolvimento sustentável da mobilidade”, explica seu presidente.

Ricardo Guggisberg é um especialista em eletromobilidade, conhecido nacionalmente. Já foi presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) e foi ele quem criou o evento “Salão de Mobilidade Elétrica e Cidades Inteligentes” (“VE Latino Americano”). “Queremos promover a inovação da mobilidade no Brasil e, para isso, vamos criar projetos específicos e buscar recursos internacionais para concretizá-los”, acrescenta.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Paulistano vira um dos raros amputados do mundo a dominar um monociclo elétrico

Márcio utiliza o seu monociclo elétrico principalmente no lazer, como uma terapia.

O paulistano e administrador de empresas Márcio Frascino Neto, então com 32 anos, trabalhava há vários anos no escritório de um multinacional na Zona Oeste da capital paulista. Ia e voltava quase diariamente do trabalho, no trajeto Lapa-Perdizes, de motocicleta. Tinha uma vida intensa, com muitas viagens e prática esportiva regular. No dia 23 de março de 2018, isso tudo mudou: ele sofreu um acidente, se chocando contra um ônibus com a moto. Como resultado, teve a perna direita amputada pouco acima do joelho. “E agora? Como será minha vida?”, pensou na época, totalmente desolado.

A resposta veio da própria irmã: “A partir de agora, você terá de decidir se vai ser a vítima, ou se vai ser o cara que vai fazer acontecer, vai inspirar outras pessoas com dificuldades”. Ele optou pela segunda opção, mas foi uma longa jornada até a total cicatrização do corte (que teve mais de 100 pontos), aprender a andar de muletas, conseguir uma prótese (caríssima) capaz de lhe proporcionar qualidade de vida adequada e encontrar um propósito para sua vida. A prótese, que valia perto de R$ 40 mil, foi doada por uma pessoa desconhecida, o que ele considerou um verdadeiro “milagre”. Passou quase sete meses em casa antes de retornar ao trabalho, já com a prótese, mas ainda sem dominar o seu uso.

Mas, antes de chegar neste ponto, sua trajetória não foi fácil. No dia do acidente, por exemplo, chovia e ele ficou quase uma hora deitado na rua sangrando e aguardando o resgate, que demorava. “Passei este tempo questionando minha vida e achando que ia morrer. Do meu lado, uma enfermeira que estava dentro do ônibus não me largou nem um instante. Foi meu anjo da guarda”, acredita.

Mesmo antes do acidente, Márcio já vivia uma fase de reflexões, questionando o rumo da própria vida. Quando voltou à rotina da empresa de novo, quase sete meses depois, logo bateu de novo a sensação de vazio.  Ele pensava: “O que eu estou fazendo da minha vida? Como todo mundo me via muito positivo nesse assunto do acidente, decidi investir no trabalho de palestrante motivacional. Desde janeiro de 2019, já realizou dezenas de palestras desse tipo em locais e empresas diversificados. Deixou seu emprego e hoje se dedica a isso. Também já foi procurado por diversas agências de publicidade e fez comerciais para a TV para marcas como Rainha, Track & Field, Santander, Bradesco Prime, Braskem, Suvinil, Gillette e Academia Bio Ritmo.

MONOCICLO ELÉTRICO VIROU SUA TERAPIA

Neste meio tempo, Márcio investiu em outra atividade que o tornou um dos únicos em todo o mundo: ele aprendeu a pilotar um monociclo elétrico, aquele veículo com apenas uma rodinha no qual o condutor vai em pé. Ele é o único amputado do Brasil que pilota com grande desenvoltura este equipamento – e um dos raros do mundo. Ele possui um modelo da distribuidora Eletricz, fabricado pela marca King Song, o 16S, capaz de atingir 30 km/h de velocidade máxima. “Uso o monociclo principalmente como lazer. É minha terapia.”.

Hoje, aos 35 anos, Márcio tem como objetivo inspirar pessoas, mostrando que um acidente ou uma situação ruim no nosso dia a dia nós podemos não ser capazes de controlar, mas que a forma como vamos lidar com o problema é a chave para ser ou não feliz e contribuir para ajudar outras pessoas com suas próprias dificuldades.

Na rua, hoje em dia, pilotando seu monociclo elétrico pelas ciclofaixas, não é raro encontrar uma criança que, depois de juntar o monociclo (um veículo ainda pouco comum na paisagem paulistana) e sua prótese, logo se apressa em chamá-lo de “super-herói”, rótulo que Márcio descarta  com bom humor. “Sou uma pessoa comum reaprendendo a viver e, hoje, com um propósito muito claro de inspirar pessoas”, afirma.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem hoje por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Rocket 3 R é a nova moto do chef Henrique Fogaça, Embaixador da Triumph no Brasil

Chef Henrique Fogaça, Embaixador da Triumph no Brasil, e a sua moto Rocket 3 R.

Em janeiro de 2017, a Triumph anunciava uma parceria inusitada. A partir daquela data, o chef Henrique Fogaça, proprietário de vários restaurantes e bares e um dos jurados do programa Master Chef, da Band, passaria a ser o novo Embaixador da Triumph no Brasil. Desde então, se passaram pouco mais de quatro anos e a parceria se consolidou. Fogaça aprendeu a admirar ainda mais os produtos da Triumph e, ao mesmo tempo, vem contribuindo fortemente para levar a marca inglesa a novos públicos. “Eu sempre tive moto, e a gente chega em um patamar que não tem mais para onde ir. E esse patamar se chama Triumph”, diz o chef.

“Estamos muito satisfeitos com os resultados obtidos por esta parceria com o Fogaça, que está contribuindo bastante para dar mais notoriedade à marca diante de diferentes públicos”, afirma Renato Fabrini, General Manager da Triumph no Brasil. A identificação de Fogaça com a marca é, realmente, muito forte. Ele já era fã do mundo do motociclismo, mas também se encantou ainda mais com a história da Triumph e a sua proposta despojada ao longo dos últimos anos. “Para uma marca como a nossa, é muito importante a parceria com uma celebridade com o carisma e o perfil desbravador, empreendedor e inovador do Fogaça, que também são valores da Triumph”, complementa Fabrini.

A partir desta semana, Fogaça passou a pilotar a grandiosa Rocket 3 R, moto produzida em série com o maior motor do mundo – um 2.500 cc capaz de gerar 167 cv de potência (a 6.000 rpm) e 221 Nm de torque (a 4.000 rpm). “O que mais me chamou a atenção na Rocket 3 R foi justamente essa pegada mais bruta dela. Quem me conhece, sabe que eu sou assim. Direto, objetivo, alguns dizem até bruto, e vejo isso na Rocket. Ela tem esse design minimalista e a força que nenhuma outra moto tem. Olhando ela, até parece pesada, mas na verdade é bem fácil de pilotar”, explica Fogaça.

A motocicleta faz parte do dia a dia de Fogaça na sua mobilidade. “A moto está inserida na minha vida em 95% do tempo. Quase tudo o que eu faço é de moto. Vou para a Band, vou de moto. Para os restaurantes vou de moto. Para a academia vou de moto. Também faço pequenas viagens com minhas motos. E, para onde eu vou, eu escolho a moto mais adequada. Uma Thruxton para um passeio mais tranquilo na cidade ou uma Scrambler quando pego uma estrada de terra, por exemplo”, conta.

Esta Rocket 3 R de última geração é apenas mais uma motocicleta dos sonhos em sua invejável coleção particular de modelos Triumph. “Já tive uma Tiger 1200 e hoje tenho uma Bonneville T120 customizada, que é meu xodó, uma Thruxton R branca mais baixa, uma Bobber com o guidão alto e também uma Scrambler 1200 XE que uso tanto para a estrada quando para a terra, todas incríveis de pilotar. Recentemente peguei a Speed Twin TCM numerada, customizada pela Shibuya Garage”, acrescenta o chef motociclista.

SOBRE HENRIQUE FOGAÇA

O chef Henrique Fogaça, nascido em Piracicaba (SP), possui hoje diversos bares e restaurantes. Fundado em 2005, em São Paulo, o Sal Gastronomia foi o pioneiro. Hoje, Fogaça conta também com o Cão Véio e Jamile em São Paulo e o Sal Grosso do Rio de Janeiro, entre outras filiais pelo Brasil. Fogaça é um dos jurados do programa Master Chef, da Band, e participou de vários projetos sociais, como o “Chefs Especiais”. Durante a pandemia, em 2020, ele criou o projeto “Marmita do Bem”, com apoio de voluntários, que já distribuiu (até o final de março) mais de 30 mil marmitas a pessoas em situação de rua no centro de São Paulo. Esta ação, inclusive, em outubro, foi realizada em parceria com o movimento “Women for The Ride”, criado pela Triumph, no qual 22 participantes, principalmente mulheres, distribuíram 70 kg de alimentos no centro da capital paulista. Ainda na área social, outra novidade que em breve será anunciada é o Instituto Olivia Fogaça, que leva o nome da sua filha. Ele também é vocalista da banda Oitão.

SOBRE A TRIUMPH

A Triumph Motorcycles Brazil é uma das 12 subsidiárias da empresa pelo mundo e conta com sede em São Paulo (SP) e fábrica em Manaus. A marca conta com 18 Concessionárias no Brasil nas cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São José dos Campos (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Londrina (PR), Vitória (ES), Várzea Grande (MT), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). A Triumph possui o portfólio mais completo do mercado entre as marcas premium, oferecendo três pilares principais de produtos: Clássica, Adventure e Roadster. Fundada em 1902, a Triumph Motorcycles é uma empresa global, atuando diretamente em 13 países, por meio de suas filiais, e indiretamente em mais 57 mercados, através de distribuidores independentes. A Triumph é a maior fabricante britânica de motos e a marca que mais cresce no segmento acima de 500 cc nos países nos quais está presente. O faturamento mundial da empresa gira em torno de R$ 3,5 bilhões e suas vendas no varejo superam as 63.400 unidades anuais, com produção acima de 67.000 motos por ano. No mundo todo, a Triumph possui mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Triumph anuncia a Dynavolt como patrocinadora principal da equipe no Campeonato Britânico de Supersport 2021

Triumph anuncia a Dynavolt, especializada em baterias para motos, como patrocinadora oficial da nova equipe Triumph que disputará o Campeonato Britânico de Supersport .

A fabricante de baterias para motocicletas Dynavolt está confirmada como patrocinadora principal da nova equipe de corridas da Triumph, apoiada diretamente pela fábrica, em sua estreia no Campeonato Britânico de Supersport de 2021. A Dynavolt Tech está sediada na China e é conhecida por seus produtos de energia de alta tecnologia e sustentáveis. A empresa produz, anualmente, cerca de 15 milhões de baterias, que são vendidas em mais de 100 países no mundo todo.

A marca está envolvida no automobilismo há muitos anos, em seus mais elevados níveis, alcançando um grande sucesso em campeonatos mundiais, incluindo na Moto2, desde 2012, no Campeonato Mundial de Superbike e no Campeonato Mundial de Supersport.

“Na Dynavolt, temos orgulho do nosso relacionamento com a PTR, uma equipe com história e reputação impressionantes. A Dynavolt compartilha a paixão da PTR pelo automobilismo, e manter essa relação e também unir forças com a icônica marca Triumph é uma grande honra. A Dynavolt é uma das principais fabricantes de baterias do mundo, com muitos clientes leais e apaixonados que sabemos que ficarão felizes com essa parceria. A Dynavolt promove uma série de corridas de categoria mundial e estamos extremamente felizes por fazer essa parceria com a Triumph na sua volta às corridas com a PTR”, explica Nitipat Panichsakul, da Dynavolt Motorcycle Branding.

De acordo com Simon Buckmaster, gerente da equipe Dynavolt Triumph,“2020 foi o primeiro ano com a Dynavolt como patrocinadora principal da nossa equipe. É uma notícia realmente fantástica essa continuidade da nossa parceria nesse novo e empolgante projeto com uma marca tão icônica como a Triumph. Estou ansioso pelo início da temporada de 2021 com a equipe Dynavolt Triumph”.

SUCESSO DA TRIUMPH NAS COMPETIÇÕES

A Triumph tem uma história gloriosa no motociclismo, competindo e vencendo corridas em quase todos os campos e categorias em que é possível obter conquistas esportivas. Desde a conquista da segunda TT da Ilha de Man em 1908, ao domínio na Europa e nos Estados Unidos, de corridas em estradas e pistas na década de 1960, até as conquistas mais recentes da Daytona 200 com o motor Triple de 675 cc da Triumph em 2014, da TT de Supersports da Ilha de Man de 2014, e dos títulos do Campeonato Britânico de Supersports de 2014 e 2015 e do Campeonato Mundial de Supersports, e novamente, em 2019, com outra vitória na TT de Supersports da Ilha de Man, com Peter Hickman.

A história de corridas da Triumph continua como fornecedora exclusiva de motores para o Campeonato Mundial da Moto2 da FIM, desde o início da temporada de 2019. A Triumph fornece a todas as equipes motores triplo de 765 cc ajustados para corridas, cada um baseado no motor da Street Triple RS, líder da sua categoria. Redefinindo a categoria e quebrando recorde após recorde desde a estreia, incluindo a primeira velocidade máxima da Moto2 acima dos 300 km/h, a temporada de 2020 ficou ainda mais rápida com outros 11 recordes de voltas e sete vencedores diferentes em 15 corridas.

As atividades de corrida da Triumph foram reforçadas pelo retorno ao Campeonato Britânico de Superbike, em 2021, com uma equipe de corrida apoiada pela fábrica.

SOBRE A TRIUMPH

A Triumph Motorcycles Brazil é uma das 12 subsidiárias da empresa pelo mundo e conta com sede em São Paulo (SP) e fábrica em Manaus. A marca conta com 18 Concessionárias no Brasil nas cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São José dos Campos (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Londrina (PR), Vitória (ES), Várzea Grande (MT), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). A Triumph possui o portfólio mais completo do mercado entre as marcas premium, oferecendo três pilares principais de produtos: Clássica, Adventure e Roadster. Fundada em 1902, a Triumph Motorcycles é uma empresa global, atuando diretamente em 13 países, por meio de suas filiais, e indiretamente em mais 57 mercados, através de distribuidores independentes. A Triumph é a maior fabricante britânica de motos e a marca que mais cresce no segmento acima de 500 cc nos países nos quais está presente. O faturamento mundial da empresa gira em torno de R$ 3,5 bilhões e suas vendas no varejo superam as 63.400 unidades anuais, com produção acima de 67.000 motos por ano. No mundo todo, a Triumph possui mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Que tal provar em casa o Sobá, um prato bem diferente, típico da culinária de Campo Grande (MS)?

Soba à Moda de Campo Grande da chef Vanessa Carvalho: uma raridade em São Paulo.

O Sobá é o prato mais tradicional da culinária de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, daí o seu nome correto ser “Sobá à Moda de Campo Grande”. Há centenas de restaurantes especializados nele em Campo Grande, e uma indústria por trás disso – que inclui, além dos restaurantes, fabricantes artesanais de macarrão e empresas que fabricam utensílios necessários para a elaboração do prato, como um cortador manual da massa e uma espécie de “varal culinário” onde o macarrão é pendurado em tiras para não grudar uma na outra. Em resumo, é um mercado imenso, responsável pelo sustento de muita gente. Na capital paulista, por outro lado, existem apenas dois restaurantes que servem Sobás – e um deles é o Sim Sobá, criado em 2016 pela chef Vanessa Carvalho, que funciona apenas pelo Delivery ou Take Away, de sexta-feira a domingo, das 18h às 22h.

Por isso mesmo, o Sobá ainda é uma iguaria praticamente desconhecida do consumidor paulistano. E o que é um Sobá? “O Sobá é um prato elaborado com cinco componentes básicos: uma proteína (carne bovina, carne suína, frango ou shimeji), omelete, macarrão, cebolinha e um caldo com temperos”, explica a chef Vanessa. Além disso, é um prato complicado e demorado de fazer, pois tudo é elaborado artesanalmente. A casa abre de sexta a domingo, mas, já na quarta-feira, a chef Vanessa começa a produzir seu macarrão artesanal, que é servido fresco e no ponto certo todas as semanas. É uma massa diferente da que conhecemos na culinária italiana.

De origem japonesa, o Sobá ganhou fama no Brasil no Mato Grosso do Sul. A combinação de macarrão, omelete, carne de porco (na versão mais tradicional), cebolinha e um caldo com temperos típicos foi trazida para o Mato Grosso do Sul na década de 50, por Eiho Tomoyohe e, já em 2006, virou patrimônio histórico e cultural de Campo Grande. A história do Sobá caminhou com a “Feirona” de Campo Grande, fundada em 1925. No começo, eram barracas, montadas na calçada. Hoje, a Feira Central, denominada oficialmente Feira Central e Turística, ocupa a Esplanada Ferroviária, um amplo espaço coberto que reúne 200 lojas de artesanato regional e produtos hortifrutigranjeiros, onde o carro-chefe são dezenas de restaurantes especializados em Sobá. Há até uma estátua de um Sobá no local, que virou atração turística e ponto obrigatório para fotos.

O cardápio do Sim Sobá inclui seis opções de Sobá à Moda de Campo Grande: “Bovino” (R$ 40,00); Suíno (R$ 36,00); Frango (R$ 34,00); Shimeji (R$ 44,00); Vegetariano de Shimeji (R$ 44,00) e Vegano de Shimeji (R$ 46,00). Todos os Sobás levam, como tempero, um caldo especial feito com ossobuco e temperos secretos de Campo Grande, que garantem o sabor todo especial do prato. O Sobá de Shimeji é uma criação de Vanessa que deu certo em São Paulo. Na versão Vegetariana, a diferença é que o caldo de ossobuco é trocado por um caldo de legumes, também criado pela Chef. Já na versão Vegana, além desse caldo de legumes, o prato, sua massa é elaborada sem ovos e não vai omelete.

DRINKS EXCLUSIVOS COM INGREDIENTES DO MATO GROSSO DO SUL

A chef Vanessa desenvolveu uma linha exclusiva de sucos elaborados com produtos tradicionais DA cozinha de Mato Grosso do Sul. São ingredientes como capim-santo, gengibre e a erva natural utilizada numa bebida muito comum no estado, o Tereré. O resultado são combinações incríveis no sabor e muito refrescantes que remetem à rica gastronomia e cultura sul-mato-grossense.

“Minha intenção era criar uma linha de bebidas inédita, que remetesse à culinária de Campo Grande, cidade onde nasci e vivi muitos anos, para acompanhar justamente um dos pratos mais tradicionais de lá, que é o Sobá”, explica Vanessa. Para chegar aos três sucos que compõem a linha hoje, chamada de Varanda’s Drinks, a chef precisou fazer muitos testes, experimentando a combinação de diferentes ingredientes. Foram desenvolvidos três sucos naturais que integram o cardápio:

Varanda’s. É um mix de capim-santo (também conhecido como capim-cidreira) e xaropes artesanais de gengibre e limão feitos pela própria Vanessa. Custa R$ 13,00 (500 ml).
Varanda’s Tereré. Uma combinação de chá da erva utilizada na elaboração do famoso Tereré (bebida muito tradicional do Mato Grosso do Sul) e xaropes artesanais de gengibre e limão. Custa R$ 14,00 (500 ml).
Flor de Varanda’s. É elaborado com chá de canela, xarope artesanal de hibisco (também produzido pela chef Vanessa) e um toque de limão. Custa R$ 14,00 (500 ml).

SOBREMESAS TRADICIONAIS

O Sim Sobá também sobremesas que fazem sucesso na culinária de Mato Grosso do Sul:

Doce de abóbora com coco – R$ 8,00 (100 gramas)
Doce de abóbora em pedaços – R$ 6,00 (100 gramas)
Cachorrada Pantaneira – R$ 8,00 (100 gramas)
Geleia de Mocotó Pantaneira – R$ 4,00 (barra de 60 gramas)
Cocada Pantaneira – R$ 4,00 (barra de 55 gramas)

SOBRE A CHEF VANESSA CARVALHO

Nascida em Campo Grande (MS), Vanessa tem 45 anos. Ela nasceu numa família com cinco mulheres que adoram cozinhar – a mãe e quatro tias. “Em todas as reuniões e festas familiares são elas que preparam tudo”, conta Vanessa. Ela nasceu nesse ambiente gastronômico cheio de sabores e temperos e combinações intensos, uma marca da comida de Campo Grande. A mãe foi sua grande professora na cozinha. Com 5 anos ganhou de presente um jogo de panelas de verdade, e começou a aprender a cozinhar numa mini cozinha que montou no quintal.

Aos 8 anos já sabia, e bem, fazer o tradicional Arroz de Carreteiro Pantaneiro, típico do Mato Grosso do Sul, e virou a responsável pela sua preparação nos encontros familiares. Mesmo assim, não trabalhou com comida em Campo Grande (embora tenha feito um curso de Gastronomia no Senac) e, em 1996, veio morar em São Paulo. Aqui, trabalhou como modelo, foi empresária do ramo de iluminação para shows e atuou como corretora de imóveis no Campo Belo durante cerca de 13 anos. Em 2006 morou na Suíça, perto da fronteira com a Itália. Trabalhava numa empresa durante o dia e nos finais de semana fazia bicos num restaurante na cidade italiana de Lugano. Preparava pratos típicos do Brasil.

Em 2018, voltou a Campo Grande e a vontade de trabalhar com gastronomia já era forte – sobretudo depois de ver que uma amiga havia aberto um restaurante. Decidiu voltar a São Paulo e abrir um restaurante especializado em Sobá. Seus amigos, surpresos, logo perguntavam: “Sobá? Ninguém sabe o que é Sobá em São Paulo!”. A resposta dela sempre foi rápida: “Sim, Sobá”. Aliás, foi daí que surgiu o nome do restaurante Sim Sobá.

SERVIÇO

Restaurante Sim Sobá (só Delivery e Take Away)
Rua Zacarias de Góes, 1770 (Campo Belo)
Funcionamento: sexta-feira a domingo, das 18h às 22h
Fone: 2892-0527
Fone/whatsapp: 98696-5212
www.simsoba.com.br
www.facebook.com/simsoba
Instagram: @simsoba

PRESS RELEASE COMPLETO:

CARDÁPIO COMPLETO DO RESTAURANTE:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Eletricz lança o monociclo elétrico mais veloz do Brasil, capaz de atingir 70 km/h de velocidade máxima

Begode (antiga Gotway), modelo RS-HS, é o monociclo elético mais veloz do Brasil, atingindo 70 km/h de velocidade máxima, com autonomia de até 160 quilômetros.

A Eletricz, distribuidora com sede em São Paulo (SP) especializada na comercialização de monociclos, patinetes e bicicletas elétricos de última geração, foi a primeira empresa no mercado brasileiro a comercializar os monociclos elétricos de altíssimo desempenho da marca Begode (antiga Gotway), um dos principais fabricantes mundiais desse equipamento. Quer conhecer o monociclo elétrico mais veloz do Brasil?

A Eletricz está lançando no mercado brasileiro dois novos modelos desse fabricante: o RS-HT (High Torque) e o RS-HS (High Speed). Este último é o monociclo elétrico mais veloz do Brasil e um dos mais velozes do mundo, com velocidade máxima de 70 km/h. Sua autonomia, também uma das maiores do mercado nacional, chega a cerca de 160 quilômetros. A aceleração de 0 a 50 km/h é de apenas 3 segundos!

“Trata-se de um equipamento especial voltado para monociclistas experientes que já passaram por outros modelos e agora buscam um desempenho superior tanto em velocidade como em autonomia, para poderem percorrer distâncias mais longas em menos tempo e com mais segurança”, explica Márcio Canzian, CEO da Eletricz.

O novo Gotway RS-HS custa R$ 21.978 à vista, mas também pode ser comprado, pelo cartão de crédito, em até 18 parcelas mensais fixas de R$ 1.356,67. Ele é equipado com motor de 2.600 W e bateria de íon lítio de 100 V e 1.800 Wh, pesando apenas 27 kg. O modelo é equipado com pneus aro 18, com três polegadas de largura, e tem como um de seus diferenciais o inovador “motor oco”, um estilo de construção de deixa mais espaço livre internamente, permitindo que fios de maior bitola façam a conexão entre a bateria e o motor, sendo assim capaz de suportar maiores níveis de potência com total segurança.

O modelo é capaz de superar, com tranquilidade, ângulos de subida de até 25 graus – o que significa desempenho suficiente para enfrentar com valentia as ladeiras de uma cidade como São Paulo. É capaz de transportar um peso máximo de 130 kg, sem comprometer seu desempenho, autonomia e segurança, e leva no máximo seis horas para ser completamente recarregado na tomada de casa (é bivolt).

Disponível apenas na cor preta, seu acabamento externo imita fibra de carbono, transmitindo um visual robusto e esportivo. O aparelho também conta com dois alto-falantes (35W cada), alça retrátil para facilitar o seu transporte quando ele não está sendo utilizado (pode ser empurrado facilmente como um pequena mala de viagem com rodinhas), dois faróis (24V cada), conexão Bluetooth com o telefone celular para acesso ao aplicativo do fabricante ou à playlist do usuário, LEDS frontais  e traseiros multicoloridos e pedais maiores (que oferecem mais conforto e segurança para o condutor) que apresentam uma distância de 165 mm do solo.

MONOCICLO ELÉTRICO BEGODE RS-HT

A outra novidade da mesma marca, que apresenta visual idêntico, é o monociclo elétrico RS-HT. O modelo utiliza o mesmo motor de 2.600 W, com bateria de 100 V e 1800 Wh, oferecendo também autonomia de até 160 quilômetros. Sua diferença em relação ao RS-HS é que o modelo tem uma oferta maior de torque, o que lhe garante arrancadas mais poderosas e mais força e eficiência para superar rampas íngremes. Em compensação, sua velocidade máxima cai para 56 km/h, ainda colocando-o entre os de melhor desempenho no Brasil.

Todas as demais características, como peso, iluminação em LED, pneus aro 18, sistema de som, distância do solo, tecnologia do “motor oco” e carenagem são idênticas. Seu preço também é o mesmo: R$ 21.978, à vista.

SOBRE A ELETRICZ

A Eletricz iniciou suas operações em julho de 2018 com a missão de promover a locomoção de curta e média distância, incentivando a valorização da vida ao ar livre, a apropriação saudável das vias públicas e a mudança para um estilo de vida mais saudável, divertido e econômico. Por isso, comercializa os mais avançados veículos elétricos portáteis e desenvolve projetos e ações para difundir e incentivar este novo perfil de mobilidade urbana. A empresa comercializa monociclos, patinetes e bicicletas elétricas, mas os monociclos respondem por 80% do seu faturamento.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Confira 10 dicas para cuidar da sua saúde mental durante a pandemia

Saúde Mental na pandemia: maior desafio é sair da mente, o “cabeção”, e ir para o coração e aumentar a sua presença no momento presente.

Desemprego ou medo de perder o emprego ou clientes, dificuldades financeiras, insegurança, problemas de saúde, perdas de entes queridos devido à Covid-19, notícias negativas o tempo todo na TV. Este cenário que vivemos há mais de um ano com a pandemia pode, sim, afetar a sua saúde mental, prejudicando o seu equilíbrio e atrapalhando a sua felicidade. Tudo depende de como cada um de nós lida com esses desafios no seu dia a dia.

A terapeuta Catia Simionato, especialista em desenvolvimento pessoal, autoconhecimento, expansão da consciência, meditações e espiritualidade, entre outras terapias integrativas,tem uma visão bem objetiva dessa nossa realidade. “Eu sempre acho que o grande problema é a nossa mente, que eu chamo de ‘cabeção’, que fica tentando controlar o mundo e, como não consegue, literalmente cria boa parte das preocupações que atormentam as pessoas”, explica.

Catia lembra que boa parte dos “problemas” que nos afligem, com ou sem pandemia, dizem respeito a lembranças do passado ou a cenários negativos para futuro que a nossa mente se encarrega de criar o tempo todo. “O desafio para manter a nossa saúde mental, portanto, é acalmar o ‘cabeção’”, acrescenta. E como fazer isso na prática? Aqui, Catia lista 10 dicas úteis para não deixar o seu “cabeção” destruir o seu equilíbrio e o seu foco positivo na vida.

1) Meditação Ativa ou Passiva. Você sabe a diferença entre esses dois tipos de Meditação? A Meditação Ativa não é muito comentada, mas é uma forma de facilitar a prática da Meditação. Ela é realizada ao mesmo tempo em que você faz qualquer tarefa, como caminhar, lavar louça, passar roupa, cuidar das plantas, praticar um esporte ou simplesmente limpar a casa. Ela consiste em manter sua mente focada no que você está fazendo, observando o movimento de pés e mãos, sentindo a textura ou temperatura do local que estiver tocando, observando tudo que puder ao seu redor, sentir os aromas e ouvir os sons do ambiente. Seu principal objetivo é viver o momento presente o mais intensamente possível, e não prender sua mente em eventos do passado ou do futuro. A Meditação Ativa funciona muito bem para pessoas inquietas, que têm dificuldade de se concentrar para praticar a Meditação mais tradicional, a Passiva. E pode ser, também, a porta de entrada para a Meditação Passiva, na qual a pessoa permanece imóvel, numa posição confortável, prestando atenção na sua respiração ou desenvolvendo técnicas de visualização, concentração e relaxamento do corpo. Em ambas, o desafio é deixar a mente calma. Nesse estado, ela é capaz de ser mais produtiva, criativa e inovadora.

2) Exercícios de atenção plena. Eles também são um tipo de meditação. São práticas que buscam direcionar a atenção para o momento presente e a pessoa passa a se concentrar apenas na experiência que está vivendo naquele instante, permitindo aos seus pensamentos fluírem sem julgamentos. Exemplos: comer com consciência (prestando atenção aos sabores, visuais, temperaturas e texturas dos alimentos), andar ou correr com consciência (observando todo o movimento do corpo, as sensações dos pés e até as diferentes texturas do piso percorrido), colorir ou desenhar com consciência (concentrando-se em cada cor) e cozinhar com consciência (sentindo cada sabor ou cheiro dos ingredientes utilizados).

3) Perceber que existe uma voz falando dentro da sua cabeça (se alguém está falando, quem está ouvindo?). A nossa mente, ou “cabeção”, está sempre falando, criticando, comparando, lembrando do passado, traçando cenários ruins, projetando o pior para nossas vidas. Perceber essa vozinha dentro de nós – e aprender a ignorá-la – é um dos passos importantes para atingir o equilíbrio e a felicidade.

4) Exercitar-se. A prática regular de exercícios físicos é fundamental para a saúde física e mental. Além de ajudar a prevenir doenças, proporciona a sensação de bem-estar e relaxamento, que contribuem com a qualidade de vida. O sedentarismo leva a maiores taxas de ansiedade, contribuindo para baixa autoestima, baixa imunidade (em tempos de pandemia isso pode salvar vidas!), irritabilidade, mal humor e depressão. E mais: praticar esporte com regularidade influencia positivamente o cérebro, liberando hormônios do prazer e bem-estar, como dopamina, serotonina, irisina e oxitocina. Tudo isso contribui para reduzir o estresse e a ansiedade.

5) Cuidar do corpo: nutrição, hidratação, descanso e higiene. Além de praticar exercícios físicos, há outras formas de cuidar do corpo, a começa por uma alimentação saudável. O que você tem colocado dentro do seu corpo? Evite fast-foods e alimentos industrializados. Aumente o consumo de alimentos que você compra na feira! Você pode aumentar a vitalidade do seu corpo por meio de uma alimentação “viva” (alimentos in natura, com produtos veganos e crus), aqueles obtidos diretamente de plantas (como folhas e frutos) sem passar por qualquer processo de industrialização. Isso também inclui hidratação adequada, com água ou sucos 100% naturais. Mas cuidar do corpo ainda inclui descansar (dormir bem) e ter uma boa higiene (inclusive para evitar doenças).

6) Ir para a natureza sempre que possível. Catia está apresentando em seu canal Ser Felicidade, do YouTube, uma web série inédita que trata exatamente desta questão: da conexão e do equilíbrio do ser humano por meio da aproximação com a natureza (https://www.youtube.com/watch?v=6ulqyA3suaw&t=699s). A série foi gravada em São Miguel do Gostoso, pequena vila de pescadores localizada a cerca de 100 km de Natal (RN), repleta de praias lindas e desertas. Catia levou sua equipe para esse paraíso tropical após sentir na própria pele sintomas de desequilíbrio e desconexão. Seguindo seus próprios ensinamentos, ela foi para a natureza. E lá, os poucos, ela conseguiu. “Primeiro a gente se equilibra. Depois, nos conectamos com tudo de bom que tem nessa vida e com aquele lugar dentro de você onde habita a paz, o amor, o poder, a sabedoria e a felicidade”, explica Catia. Além disso, a relação entre natureza e saúde mental vem conquistando destaque também no meio científico. Há estudos que mostram como a exposição à natureza pode trazer benefícios enormes às pessoas – isso inclui o contato com plantas e flores, abraçar uma árvore, andar descalço na terra, areia ou pedras, tomar sol, entrar no mar ou tomar um banho de cachoeira. Pesquisa da revista “Nature” mostrou que apenas duas horas por semana de contato com a natureza podem promover, por exemplo, aumento na sensação de bem-estar, melhorar o humor e aliviar os sintomas de depressão, ansiedade e estresse.

7) Desenvolver algo simples que dê prazer: cozinhar, tocar um instrumento, cantar, trabalhos manuais. Em outras palavras, encontre um hobby que lhe traga alegria ao praticá-lo. Um hobby alivia as tensões do dia a dia e lhe proporciona um momento só para você. Para você viver o seu presente, e não dar ouvidos à sua mente. Mais do que isso, o hobby também pode estimular a sua criatividade.

8) Ouvir mantras ou Frequências de Solfeggio. Podemos definir um mantra como hino, oração, canção sagrada, sílabas programadas e, até mesmo, poema religioso. Quando se pronuncia um mantra, ele é capaz de acalmar os pensamentos e nossas ações, facilitando a concentração. O nosso trabalho durante o mantra consiste justamente em trazer incessantemente a mente de volta para o som do mantra e refletir sobre seu significado. Isso traz como consequência o aquietamento da mente. Existem mantras específicos para diversos tipos de questões, pois eles focam a energia que circula no chakra responsável por aquele ponto da vida. Já as Frequências de Solfeggio são compostas por um conjunto de seis sons musicais eletromagnéticos que os monges gregorianos costumavam usar quando cantavam em meditação. Tudo no mundo vibra. E toda vibração tem a sua própria frequência. Expondo o corpo e a mente às Frequências de Solfeggio, você pode conseguir maior sentido de equilíbrio, cura interior profunda, evolução e autoconhecimento, pois elas penetram profundamente na mente consciente e subconsciente.

9) Preparar-se para dormir. “Muitos dos meus alunos reclamam das dificuldades para dormir. Isso acontece porque, no meu ponto de vista, as pessoas passam o dia numa vida muito cerebral, muito mental, principalmente por conta dos eletrônicos que a gente usa o dia inteiro, como o celular o tempo todo na mão. E o excesso de atividade mental dificulta mesmo o sono”, diz Catia. Então, diz ela, se preparar para dormir significa, uma hora antes de dormir, desligar todos os eletrônicos, fazer um chá calmante, deixar tudo na meia luz (ou no mais escuro possível), ir para o silêncio interno, fazer uma meditação com uma música bem suave – isso tudo traz um relaxamento e uma possibilidade de dormir muito melhor e com um sono profundo, que também é revitalizante.

10) Ter um animal de estimação ou plantas. Ter plantas em casa tem relação direta com o tópico sobre a importância da natureza. Ter plantas em casa, portanto, significa levar um pouquinho da natureza e dos seus benefícios para mais perto de você diariamente. Sobre os animais de estimação, de acordo com um artigo publicado no site da Prefeitura de São Paulo, “ter um pet é um ato de amor que beneficia não só os bichinhos, mas também os seres humanos. Os laços de afeto dessa relação têm um grande impacto na saúde mental das pessoas que possuem um animal de estimação”. Pesquisa realizada pela Edellman Intelligence, em parceria com o The Human Animal Bond Research Institute (HABRI) e a empresa Mars Petcare, apontou que 80% das pessoas se sentem menos sozinhas com um pet, ajudando a lidar com a depressão. Uma das descobertas científicas mais recentes, publicada pela revista Science, é que os cachorros amam seus donos com o mesmo amor que o bebê sente pela sua mãe. Além disso, de acordo com a ciência, olhar o pet nos olhos, brincar ou acariciar ele produz forte dose de oxitocina, a chamada “molécula do amor”.

SOBRE CATIA SIMIONATO

Presente em todas as redes sociais com seu canal Ser Felicidade, Catia Simionato é um fenômeno da Internet no YouTube (www.youtube.com/channel/UC-7Un7ZJ9Z_ZOmTE_Vc0UwQ). Criado em 2016, seu canal conta, hoje, com 1,1 milhão de seguidores e possui centenas de vídeos sobre desenvolvimento pessoal, autoconhecimento, expansão da consciência, meditações, espiritualidade e entrevistas com professores espirituais que conheceu pelo mundo – produzidos pela própria Catia.

Ela também é palestrante internacional, professora de meditação e condutora de retiros espirituais para a expansão da consciência. Catia já realizou uma infinidade de cursos integrativos. É autora do curso “Método MRI” (Manual para Reorganização Interna), novo modelo de terapia individual onde a pessoa trabalha internamento o seu desenvolvimento em diversos níveis: físico, emocional e espiritual. O objetivo é realizar uma jornada de transformação, na qual a pessoa se livra de pensamentos negativos que a impedem de ser mais feliz. Com seus vídeos semanais, Catia também está promovendo o movimento “Da mente ao Coração”, no qual propõe que as pessoas ouçam menos sua mente crítica e autocrítica e encontrem dentro de si mesmas a sua felicidade, valorizando, por exemplo, o autoamor e a autoestima.

PRESS RELEASE COMPLETO:

FOTOS EM ALTA RESOLUÇÃO:

Agência de comunicação focada em atender pequenas e médias empresas e profissionais liberais que precisam se relacionar e se comunicar com seus públicos.